Em 6 meses, apreensões de cigarros representam 93% do total de 2018

Delegacia da Receita Federal de Piracicaba apreendeu 2.067 milhões de maços no primeiro semestre. (foto: Claudinho Coradini/JP)

No primeiro semestre deste ano, a delegacia da Receita Federal de Piracicaba apreendeu 2,067 milhões de maços de cigarros contrabandeados. O número representa 93% do total apreendido durante todo 2018, quando o órgão totalizou 2,200 milhões de unidades apreendidas.

Segundo os dados da delegacia, a maioria da mercadoria é contrabandeada do Paraguai. Apesar do aumento, os números registrados nos dois últimos anos ainda não superam o total de 2017, quando as apreensões chegaram a 2,670 milhões de maços.

Os motivos citados pelo delegado do órgão federal em Piracicaba, Vitório Brunheroto, para a quantidade de apreensões são o desemprego e a crise que o país atravessa. Segundo ele, o preço do cigarro contrabandeado é menor porque, no Brasil, a tributação do produto é de 80%. “Essa é uma estratégia do governo para desestimular o consumo do cigarro. Fumar faz mais mal à saúde e o doente vai procurar o sistema de saúde público para se tratar”, explicou.

Por outro lado, o consumo do cigarro contrabandeado aumenta ainda mais os riscos à saúde.

Os malefícios do contrabando também afetam a economia. “O país deixa de arrecadar os impostos, causando desemprego pois esses cigarros poderiam estar sendo produzidos no país”, afirmou Brunheroto.

Segundo ele, os responsáveis pelo contrabando são quadrilhas especializadas que financiam o tráfico de drogas e de armas. O crime é previsto no Código Penal com pena de reclusão de um a quatro anos.

O produto apreendido pela Receita Federal é encaminhado ao depósito da Receita e quando a apreensão acontece em grande quantidade, o produto do crime é levado para depósitos em outras cidades, que são mantidos sob sigilo.

Os cigarros são transportados para aterros sanitários onde são destruídos. “ Quando a carga é apreendida é feito um auto de infração e um termo de perdimento e o produto é encaminhado para destruição”, explicou Brunheroto acrescentando que as polícias Civil ou Federal instauram inquérito para investigação.

Beto Silva
beto.silva@jpjornal.com.br