Empregos voltaram a crescer após 3 anos de baixa, aponta Caged

Os empregos voltaram a crescer em Piracicaba, ano passado, depois de três anos consecutivos de saldos negativos. De 2014 a 2016, a cidade perdeu mais de 8.000 vagas. Em 2017, o município reagiu e teve um saldo positivo de 46 vagas de emprego, a diferença entre as 41.794 admissões e as 41.748 demissões em todos os setores da economia.Esses dados são do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho e foram divulgados ontem.
 
 
Para o economista e professor universitário Francisco Constantino Crocomo, coordenador do Banco de Dados Socieconômicos do Curso de Ciências Econômicas da Unimep, os dados demonstram uma reação tímida da geração de empregos formais no ano passado. Para Crocomo, a economia está dando sinais de melhora e a indústria de transformação puxou esse crescimento.
 
 
A indústria de transformação teve o melhor desempenho ano passado, com saldo de 1.416 vagas (diferença entre 10.781 contratações e 9.365 demissões); seguida pelo comércio, com saldo de 480 vagas, resultado da diferença entre as 12.963 contratações e as 12.483 demissões. Segundo Crocomo, em dezembro, o comércio teve um saldo negativo de 34 vagas, mas representou apenas um ajuste decorrente das dispensas dos contratados temporariamente.
 
Na outra ponta, o setor de construção civil teve o pior desempenho na geração de empregos, com saldo negativo de 995 vagas (diferença entre as 3.221 admissões e 4.216 demissões), seguido pelo setor de serviços, com salto negativo de 872 vagas, com registro de 13.874 desligamentos e 13.002 contratações.“Esse ano não foi as mil maravilhas. Teve pequena recuperação. O comércio também puxou por causa dos estabelecimentos comerciais inaugurados ano passado, o que compensou as demissões ocorridas no ano”, avaliou o economista. 
 
O presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), Paulo Roberto Checoli, acredita que houve uma melhora no cenário. “Piracicaba segue os dados nacionais, ou seja, o cenário ainda está muito ruim, porém se considerar os anos de 2016 e 2015, podemos sim destacar que houve uma melhora no que diz respeito à empregabilidade”, afirmou Checoli.
 
No Estado de São Paulo, o saldo fechou negativo em 6.651 vagas, com 4.402.336 demissões e 4.395.685 admissões. Segundo o Ministério do trabalho, 2017 fechou com estabilidade e confirmou tendência de recuperação do emprego formal, depois de dois anos de fortes quedas no saldo acumulado.