Empresas e comércio emprestaram R$ 3,2 milhões

Balanço anual da Desenvolve SP (Agência de Desenvolvimento Paulista) mostrou desempenho expressivo em empréstimos – para pequenos e médios negócios – na cidade. Atingiu R$ 3,2 milhões em 2017 contra R$ 1,4 milhão em 2016, um crescimento de 124% nos investimentos realizados na região. De acordo com o levantamento, a indústria foi a principal tomadora de crédito em 2017, injetando R$ 2,1 milhões na economia local durante o período, ante R$ 1,4 milhão do ano anterior (alta de 47%), quando foi o único setor demandante de financiamento. O comércio aparece na sequência, com R$ 1,1 milhão investido em 2017.
 
O economista Milton Luiz de Melo Santos, presidente da Desenvolve SP, explicou que em relação ao destino dos investimentos, 58% dos empréstimos financiaram operações de capital de giro, “o que foi fundamental para os pequenos negócios manterem suas operações durante a crise”. Os outros 42% atenderam demandas de longo prazo, “como projetos de ampliação e modernização, aquisição de máquinas e equipamentos e obras de infraestrutura”, informou Santos. Em relação ao porte das empresas atendidas, conforme o balanço, os pequenos e médios negócios foram responsáveis por tomar, respectivamente, 26% e 74% dos financiamentos em 2017. Em 2016, a proporção foi de 8% e 92%.
 
A pujança de Piracicaba se reflete na economia paulista que também mostrou sinais de recuperação no ano que passou. Segundo a Desenvolve SP, em todo o estado, a instituição financiou R$ 352,7 milhões no período, tendo, também, a indústria como destaque, sendo responsável por quase metade do valor financiado. “Esperávamos uma recuperação gradual, com um crescimento mais tímido em 2017 e mais forte em 2018. A alta foi ótima, resultado de um trabalho intenso de incentivo ao empreendedorismo ao longo do ano e da melhora dos números da macroeconomia”, completou Santos.
 
 
EMPRESAS – Ainda segundo o balanço, o número de empresas que buscaram a Desenvolve SP mais que dobrou, passando de 250 em 2016 para 543 em 2017. Quanto ao porte das empresas, 33% dos recursos atenderam as necessidades dos pequenos negócios, 55% dos médios e 12% das grandes empresas. “Em relação ao destino dos financiamentos, o interior paulista continua sendo responsável por demandar a maior parte dos empréstimos da agência, injetando R$ 228,7 milhões na economia entre janeiro e dezembro do último ano.”, completou Santos.