Encontro na Esalq vai discutir piso mínimo do frete

Discussão sobre a tabela de fretes para transporte de cargas acontece na Esalq. (foto: Claudinho Coradini/JP)

A Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), de Piracicaba inicia hoje o segundo ciclo de reuniões para atualizar os pisos mínimos de frete no transporte de cargas. Serão realizados novos encontros com profissionais do setor para ouvir sugestões com o tema de cargas especiais, como animais vivos e vidros.

A instituição também recebe opiniões pela internet. As reuniões fazem parte da programação definida entre a Fealq (Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz) e a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) assinado em dezembro de 2018, oficializando a parceria e o apoio do Grupo Esalq-Log no projeto de revisão e aprimoramento da regulamentação da Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas.

Desta vez, será discutida a possibilidade de serem fixados pisos mínimos de frete para o transporte de cargas que tenham custos operacionais diferenciados, tais como vidros, animais vivos, guincho, granéis em silo pressurizado e cargas aquecidas.

Os encontros terão como objetivo coletar opiniões e sugestões a respeito do aprimoramento da regulação da Política Nacional de Pisos Mínimos do Transporte Rodoviário de Cargas, reunindo profissionais dos segmentos envolvidos nas cadeias logísticas brasileiras, como transportadoras, embarcadores e autônomos. Diferente das reuniões realizadas no primeiro semestre de 2019, o evento será divido por temas, sendo discutidos os aspectos gerais de cada carga especial, a ser realizada na sede do Grupo Esalq-Log. As reuniões acontecerão de forma simultânea, sendo realizadas duas no período da manhã e duas no período da tarde.

No primeiro período, das 9h às 12h, em salas distintas, serão coletadas as sugestões a respeito das cargas a granel em silo pressurizado, vidro e cargas aquecidas. No segundo período, realizado em salas distintas das 14h às 17h, o encontro abordará as cargas de guincho e animais vivos.

Da Redação