Equipe do Águia da PM transporta coração de criança para transplante

(divulgação/PM)

Os policiais militares do Águia auxiliaram no transporte de um coração de uma criança de nove anos para um transplante que foi realizado na Capital. Em 45 minutos, o órgão foi levado para o Hospital do Incor, em São Paulo para outra criança de cinco anos.

O neurocirugião do Hospital Santa Casa, Theo Germano Perecin foi o primeiro médico a fazer o diagnóstico da criança que deu entrada na unidade, em decorrência de um AVC (Acidente Vascular Cerebral. “Fizemos o diagnóstico e encaminhados para a cirurgia, onde outros médicos fizeram o acompanhamento”, disse Perecin.

Segundo ele, apesar do AVC ser mais comum em pacientes com mais idades, não está descartado em jovens. “É mais raro ocorrer em crianças, mas infelizmente acontece”, comentou o médico.

PROTOCOLO

A criança de nove anos teve morte cerebral na segunda-feira (31). A Santa Casa confirmou que os familiares permitiram a doação de órgão. Além do coração, foram doados as córneas, fígado e rins. Segundo especialistas, a doação permitir salvar pelo menos oito pessoas que estavam na fila do transplante.

“Assim que é cumprido o protocolo, uma equipe da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) acompanha o procedimento”, completou Perecin.

Segundo os policiais da equipe do Águia, eles foram acionados para fazer o transporte do coração até São Paulo.

Os comandantes da aeronave foram os capitães Razera e Vitor. O tripulante foi o sargento Duarte, com os médicos cirurgiões cardiovasculares do Incor, Guilherme Brasil e Leonardo Miana.

“Para nós é importante estar sempre pronto para missões desta natureza , onde o tempo é questão de vida e morte , utilizando a aeronave deixamos de perder minutos preciosos seja para a família que doou o órgão ou para o paciente que receberá , aeronave neste tipo de missão abrevia em muito o tempo resposta para a equipe médica”, disse o sargento Júlio, tripulante do Águia.

 

(Cristiani Azanha)