Ervas são ótimas para os pets

O ideal é criar um canteiro em casa que os animais tenham acesso as hortaliças indicadas. (Foto: Amanda Vieira)

Aqueles conhecido s chás indicados como auxiliares para ansiedade, prisão de ventre, alterações no fígado ou para curar feridas, não são exclusividades dos humanos. Os animais domésticos como cães e gatos também podem ingeri- los e isso os ajuda a prolongar a vida.

No entanto, vale ressaltar que nem todos os chás podem ser ingeridos pelos amigos de quatro patas. Antes de administrá-los é necessário consultar o médico veterinário para não causar nenhuma eventual intoxicação, por exemplo. E neste dia 4 de outubro – data em que se comemora o Dia Mundial dos Animais -, quem tem um companheiro em casa quer mesmo que ele tenha longevidade com qualidade de vida.

Segundo a veterinária da Vetpet Patinhas, Amanda de Souza, as ervas medicinais possuem muitos benefícios para os pets. “A medicina natural inclui os fi toterápicos (plantas), fl orais de Bach (fl ores) e manipulações em diversas apresentações como loções tópicas, cápsulas, suspensão e pastas orais saborizadas, que estão cada vez mais sendo utilizadas pelos animais para curar desde feridas cutâneas, alterações do fígado, prisão de ventre, dores articulares. Porém, assim como as medicações alopáticas exigem prescrição veterinária e acompanhamento do tratamento, as ervas medicinais também”, disse Amanda.

O uso de alguns tipos de ervas têm motivado os tutores a fazer canteiros com acesso para animais. Aqueles mais criativos já colocam inclusive uma fonte, para incentivá-los a beber água.

“Um a dica é criar u m canteiro no qual os animais tenham acesso as hortaliças como melissa, erva doce, camomila, couve, alface, onde possam ficar à vontade para se servir. Seus donos também podem fa zer um chá calmante de melissa. Dessa forma, eles consomem vitaminas, minerais e fibras, evitando que se contaminem com vermes ou agrotóxicos das gramíneas dos espaços públicos”, acrescentou a veterinária.

Amanda não recomenda a utilização de chá de alho ou canela, pois já encontrou estudos que indicavam o uso e outros que não aprovavam. De acordo com a veterinária, na dúvida é melhor não utilizá-los.

Geralmente, os cães e gatos têm o costume de comer grama, devido a alguma indisposição gástrica. O ideal seria que não fi zesse em ambientes públicos para evitar a conta m i nação de agrotóxicos ou vermes. Algumas das citações da veterinária como melissa, erva doce e camomila tem efeitos calmantes. Já a couve é indicada para ajudar a prevenir anemia. A alface é rica em fi bras e pode ajudar a fazer uma limpeza no intestino.

“Caso o cão ou gato tenha algum tipo de alteração como vômitos, mesmo que o responsável não saiba o tipo de planta que comeu, deve procurar um veterinário”, afirmou Amanda.

INDICAÇÃO

Para quem quer conhecer um pouco mais sobre esse tema, uma sugestão é a terapia apresentada na obra “Fitoenergética”, do especialista Bruno Gimenes. Segundo ele, os bichos possuem um campo de energia ultrassensível e acabam por somatizar aquilo que está ao redor deles, seja do ambiente ou das pessoas que convivem. Fitoenergética é um livro com conteúdo inédito, que apresenta de maneira prática como ut i li za r a energ ia das plantas como uma opção.

Cristiani Azanha
[email protected]