Esalq vai liderar projeto de recuperação de represa

Com início do mapeamento das nascentes na microbacia do Córrego do Ceveiro e a necessidade de se revitalizar a represa no bairro Lago Azul, o movimento civil encabeçado pelos representantes dos moradores dos bairros de Santa Olímpia, Santana, Ártemis e agora também do Lago Azul, ganha novo suporte para melhoria daquela região com o apoio firmado pela Oscip Iniciativa Verde e pelo Departamento de Ciência do Solo da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz). O trabalho tem o suporte do Comseg (Conselho Municipal de Segurança), Defesa Civil, Sedema (Secretaria do Meio Ambiente), gabinete da vereadora Nancy Thame (PSDB) e Raízen.
 
De acordo com Márcio José Pereira, presidente do Comseg, a nova parceria começou a surgir depois de publicação do Jornal de Piracicaba sobre o trabalho de mapeamento das nascentes feitos na região de Santa Olímpia, em novembro de 2017. “Naquela época diagnosticamos que, para recuperar efetivamente as nascentes, seria necessário primeiro revitalizar a represa Lago Azul. Depois da reportagem, as reuniões se intensificaram e a mediação política feita pela Nancy contribuiu para que conseguíssemos esta nova parceria, que será muito importante”, disse.
 
De acordo com o diretor técnico da Iniciativa Verde, Lucas Pereira, existe grande interesse da Oscip na execução do projeto. “Para sair do papel é fundamental o envolvimento do terceiro setor, do poder público, dos proprietários que arrendam a terra e a própria Raízen, que poderá financiar a ação”, afirmou.
 
Na avaliação de Paulo Tavares, professor da Esalq, “é uma questão ambiental obrigatória, que a curto, médio ou longo prazo irá ocorrer, vejo o interesse da sociedade piracicabana afim de recuperar as áreas degradadas, e essa é a única forma de atender a todos os interesses: social, ambiental e econômico”, ressaltou.
 
Márcio, do Comseg, lembrou que no final de fevereiro acontecerá nova reunião onde será concluído o projeto e negociado a sua execução, bem como captação de recursos. “A intenção é conseguir valores oriundos de multas ambientais e também pelo Projeto Nascentes, do governo estadual. Esalq e Oscip vão captar estes recursos e executar as ações com o apoio da comunidade e seus parceiros”, completou.