Escultura do peixe é alvo de pichação pela 20ª vez

peixe Mais uma vez escultura foi alvo de pichação. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Pela 20ª vez, a escultura do peixe dourado localizada na entrada de Piracicaba foi alvo de vandalismo, desta vez a pichação traz um posicionamento feminista. No último final de semana, o monumento foi pichado com os dizeres “Mexeu com uma mexeu com todas”, frase usada em um manifestação de atrizes e funcionárias da TV Globo, em abril de 2017, depois que a figurinista Su Tonani denunciou o ator José Mayer por assédio sexual. Além da frase, a pichação também traz uma caricatura que faz referência à vereadora Marielle Franco assassinada a tiros em março deste ano, no Rio de Janeiro. Em julho, quando da 19ª pichação, a escultura teve a mensagem “R$ 3,40 é roubo”, em protesto contra o reajuste da tarifa de ônibus, que entrou em vigor naquele mês.

A primeira pichação no peixe foi em junho de 2012, quando vândalos fizeram a inscrição em inglês ‘dead fish’, (peixe morto). Em outubro do mesmo ano, as palavras eram contra o reajuste salarial dos vereadores. Em janeiro de 2013 foi registrada outra pichação, com a frase “Feliz 66%”, sobre o mesmo tema.

Também em junho de 2013, a escultura amanheceu com os dizeres ‘Marighella vive!‘. Em novembro do mesmo ano, recebeu nova pichação, contendo a mensagem “Agrotóxico mata”. Provocações voltadas à esfera esportiva também ilustraram o peixe. Em fevereiro de 2014, após partida pelo Campeonato Paulista entre o XV de Piracicaba e Ponte Preta, vândalos escreveram “Campineiro vá”. Em abril de 2014, o peixe foi vandalizado novamente com a frase ‘Ditadura nunca mais!‘.

Em outubro de 2014, os dizeres foram “Desmilitarização da PM já”. Dias depois, pichadores escreveram “professores em luta sem arrego”. Em maio de 2015, a escultura recebeu a mensagem em inglês “no mercy” (sem perdão). Em junho daquele ano, a provocação à administração pública foi “Pinta de novo”.

Em junho deste ano, o monumento foi pichado duas vezes: a primeira continha palavras em defesa ao ex-presidente Lula. Após a pichação anterior ser coberta, os vândalos entraram em ação novamente e picharam as palavras “pode pintar que eu pixo”

A assessoria de imprensa da prefeitura informou que “não há como calcular o custo do serviço, pois a tinta já está comprada e é reservada exatamente para episódios como esse. A mão de obra é da prefeitura, portanto, sem qualquer ônus ao erário”.

(Beto Silva)