Espetáculo traz à tona a violência contra a mulher

O espetáculo “Em-Quadros (fé nas mina, e-mana, mona lisa?)” é apresentado amanhã, na Casa VIVA, às 19h. A peça tem foco na violência sofrida pelas mulheres. Para entrar, cada um paga o valor que puder, mas os lugares são limitados, portanto é necessário chegar com 1h de antecedência. A classificação etária é 13 anos.

Em-Quadros é organizada pelo grupo teatral “Por Volta de Logo Depois” e tem direção de Danielle Baltieri. O objetivo da apresentação é dar voz às vítimas de violência de gênero, seja no âmbito sexual, físico, verbal ou mesmo étnica.

Com palco alternativo, que separa as histórias por quadros, a peça tem texto coletivo, retirado de recortes de notícias, poemas, músicas, relatos e artigos que tratam da violência, machismo e feminicídio.

Para a diretora do espetáculo, Danielle Baltieri, a arte é importante para dar voz às mulheres que são silenciadas pelos abusos sofridos. “É importante para que nenhuma voz seja esquecida e apagada, para que as mulheres lembrem que são pessoas e que têm direitos, e para que elas se sintam representadas e, com isso, mais fortes para continuar enfrentando o dia a dia”, enfatiza.

As provocações ficam por conta de Solange Dias, do projeto Qualificação em Artes – Ademar Guerra, com atuação de Alessandra San Martin, Julia Azzi, Larissa Blanco e Nêgo Yuri. A trilha sonora é de Ivan Marconato.

 

TEMA IMPORTANTE

Nas primeiras semanas de 2019, mais de 100 ocorrências de feminicídio ou agressão contra mulheres foram registradas no Brasil, segundo levantamento da Universidade de São Paulo (USP). Pelo menos 32 desses casos ocorreram já na primeira semana de janeiro. São quase cinco casos por dia, praticamente o dobro de 2018, quando a média era de 2,59.

A situação agrava-se ainda mais quando levada em conta a pesquisa realizada pelo Instituto DataSenado, a qual conclui que apenas uma em cada três mulheres denuncia a violência sofrida. Dessa forma, o número de mulheres agredidas apenas neste ano pode ser superior a 300.

Para denunciarem os agressores, as mulheres são amparadas pela Lei Maria da Penha, de 2006 e a pena básica de reclusão para o feminicídio pode variar de 12 a 30 anos, sem considerar eventuais agravantes. A denúncia pode ser feita através do número 180, mesmo por terceiros que presenciarem as agressões.

 

SERVIÇO

Espetáculo “Em-Quadros (fé nas mina, e-mana, mona lisa?)”. Amanhã (27), às 19h, no Casa VIVA (rua Manuel Chaddad, nº 160, Nova Piracicaba). Para entrar, o espectador paga o valor que puder.

 

Mariana Requena
[email protected]