Estado reajusta salário de servidores em 3,5%

A partir do dia 1º de fevereiro, os mais de um milhão de servidores públicos do Estado de São Paulo, terão reajuste salarial de 3,5%. Anteontem, em ato no Palácio dos Bandeirantes, o governador Geraldo Alckmin assinou o projeto de lei que autoriza, ainda, percentuais diferenciados a duas categorias: professores (7%) – que representam um terço dos servidores e policiais (4%). Conforme informou a Secretaria Estadual de Planejamento e Gestão, o número total de servidores ativos do Poder Executivo, em Piracicaba, é de 5.402, sendo 1.054 policiais (civis e militares) e 1.973 professores (Centro Paula Souza e Secretaria da Educação).
 
O texto assinado foi encaminhado à Assembleia Legislativa de São Paulo e mesmo que a aprovação se dê posteriormente, o reajuste será retroativo. De acordo com Alckmin, a medida representa uma despesa de R$ 2,4 bilhões este ano. “Mantivemos os salários em dia, conseguimos antecipar o pagamento do 13º dos servidores em 2017 do dia 20 para o dia 15, e agora iniciamos a recomposição salarial do funcionalismo, sempre dentro dos limites da Lei de Responsabilidade”, disse.
 
Os números, segundo explica a assessoria do governo estadual, foram calculados considerando o limite permitido para gastos com pessoal pela Lei de Responsabilidade Fiscal e seguindo estudos coordenados por técnicos da Secretaria de Planejamento e Gestão. O aumento de agora é possível “porque houve uma pequena melhora de arrecadação alta de 0,3% no segundo quadrimestre de 2017 ante o ano anterior”, informa. 
 
DEFASADO – Conforme explicou a vereadora Coronel Adriana Nunes (PPS), ainda que o aumento tenha sido diferenciado para os policiais, o valor ainda está aquém do suficiente. “Só a Polícia Militar está há quatro anos sem reajuste e este valor não recompõe a inflação do período”, disse. Também foi assinado projeto de lei que reajusta o piso salarial dos servidores da administração direta e autárquica do Estado em 3,5%, para R$ 1.142,64, além de um decreto que autoriza aumento de 50% no valor do auxílio-alimentação dos servidores estaduais que ganham até R$ 3.777,90. O benefício passa de R$ 8 para R$ 12. A faixa de servidores que têm direito ao auxílio-alimentação também foi ampliada de 141 UFESPs para 147 UFESPs, ou de R$ 3.535,87 para R$ 3.777,90. O decreto tem vigor a partir da assinatura.