Ex-Dior, Kris Van Assche assume direção artística da Berluti

Figura ímpar no tabuleiro da moda masculina, o belga Kris Van Assche é o mais novo diretor artístico da Berluti. De personalidade discreta e avesso aos holofotes, assumiu a Dior Homme depois da turbulenta saída de Hedi Slimane, em 2007, mantendo-se no posto por mais de dez anos.

No período em que comandou o masculino da maison, imprimiu um estilo suave e sem pirotecnia, injetando uma dose de contemporaneidade nas modelagens, introduzindo elementos da cultura underground na alfaiataria, trazendo estrelas da música, como Dave Gaham (Depenche Mode), Boy George e Pet Shop Boys para estrelar campanhas. A new-wave e o rock, os anos 80, o skate e as raves estão entre suas inspirações recorrentes.

Na Berlutti, ele promete fazer um trabalho semelhante. “Sempre quis construir pontes entre o conhecimento de saber fazer, a herança de uma casa e minha clara visão de contemporâneo”, afirma o designer num comunicado enviado à imprensa. “É com enorme prazer que aceito este novo desafio.” Sua estreia deve ocorrer na temporada masculina de Paris, em janeiro de 2019.

Fundada em Paris pelo italiano Alessandro Berluti, a Berluti se celebrizou pelos seus acessórios em couro, especialmente seus sapatos artesanais, feitos sob medida e encomenda – uma tradição mantida até hoje com doses de inovação como uma gama de desenhos grifados para serem tatuados no material.

Entre seus modelos icônicos estão o derby Alessandro, batizado com o nome do fundador da marca e feito sem costuras, com uma única peça de couro, e o mocassim Andy, eternizado a partir de uma encomenda de Warhol, cujo diferencial era ter um couro imperfeito, com cicatrizes, coisa de animais rebeldes.

Adquirida pelo grupo LVMH em 1993, desde de 2012 a marca em uma linha de roupas, que já teve Alessandro Sartori (atualmente na Zegna) e Haider Ackermann na sua direção criativa. É a única grife exclusivamente masculina do grupo. O anúncio da entrada de Van Assche na Berluti vem depois de uma série de mudanças estratégicas na direção artística de Céline, Dior e Louis Vuitton.