Falar é fácil, difícil é escutar

Algum “filósofo” disse uma vez: “o silêncio não comete erros”, Errou. O silêncio É um erro, até porque silêncio, é omissão, algumas vezes (nem sempre) medo. O silêncio não é apenas o ato de não falar, e também, o de não agir, não contestar ou até, não escrever algo que se pensa. Então prefiro a outra frase: “prefiro pecar por excesso do que por omissão”.

E me utilizando de mais uma frase para ratificar o que penso, poderia dizer: “Para o triunfo dos maus, basta que os bons não façam nada”. O que a história deixa bem explícito. E não existe nada que simbolize melhor o “não fazer nada”, que o silêncio. Então, quem vive do silêncio não tem o que contribuir, é uma pessoa vazia, que vive a sombra de pensamentos alheios.

Não basta ter ouvidos para ouvir o que o outro diz. Escutar é uma arte, porque nem todo mundo sabe como escutar de verdade. Escutar é processar o que se está escutando, dar um significado, e fazer um esforço para tentar compreender, e até mesmo se sentir no lugar do outro a partir daquilo que está sendo compartilhado. Existe uma incapacidade generalizada de ouvir de verdade o outro, e isso se dá pela manifestação da mais constante e sutil de nossa arrogância: “no fundo, somos mais interessantes”.

Rubem Alves, em seu texto maravilhoso chamado “A Escutatória”, trouxe uma reflexão sobre como sempre vemos anunciados cursos de oratória para falar bem em público. Todo mundo quer aprender a falar, mas ninguém quer aprender a escutar! Nunca vimos anunciado um curso de “escutatória”. Se existisse esse curso, provavelmente ninguém iria se matricular.

Parafraseio Alberto Caeiro “Não é bastante ter ouvidos para ouvir o que é dito; é preciso também que haja silêncio dentro da alma”. Daí a dificuldade. A gente não aguenta ouvir o que o outro diz sem logo dar um palpite melhor, sem misturar o que ele diz com aquilo que a gente tem a dizer. Como se aquilo que a pessoa diz não fosse digno de consideração e precisasse ser complementado por aquilo que temos a dizer que é, claro, muito melhor.

Nossa incapacidade de ouvir é a manifestação mais constante e sutil de nossa arrogância e vaidade: no fundo, somos os mais bonitos…

A falta dessa habilidade de escutar acontece também em leitura na internet, por exemplo. Muitas pessoas nem sequer terminam de ler o artigo ou a notícia para entender e interpretar o que foi escrito e já saem comentando, palpitando, julgando negativamente o pouco que leram.

Reparem que as estatísticas comprovam que os vídeos postados na internet que ultrapassam o tempo de dois minutos já se tornam desinteressantes para o público em geral. Afinal, todos estão sem paciência para ouvir.

Provavelmente você já deve ter lido ou ouvido algo a respeito desse assunto, muito melhor do que minha explanação, porém, eu não poderia me calar…
“Não se cale, pense, fale, seja e mude”!