Falta de reservatório agrava desabastecimento de água em Piracicaba, diz presidente do Semae

Presidente do Semae falou sobre falta d’ água que atinge a cidade há 40 dias (Beto Silva/JP)

O presidente do Semae (Serviço Municipal de Água e Esgoto) de Piracicaba, José Rubens Françoso, atendeu nesta quinta-feira (7) à primeira convocação da Câmara de Vereadores. Acompanhado de dois técnicos da autarquia, ele falou sobre a falta de água na cidade aos parlamentares.

O presidente iniciou a fala informando que 60% dos reclamantes não têm reservatórios em casa, o que é um agravante para a falta d’água. Entre os motivos para as constantes interrupções no abastecimento, Françoso citou a turbidez da água do rio Corumbataí – principal fonte de captação da água – e os rompimentos de adutoras, que tiveram início no dia 24 de dezembro.

Segundo ele, a cidade está enfrentando o desabastecimento há 40 dias e a saída é a extensão da rede de adutoras. De acordo com Françoso, há um planejamento – para até o final de 2020 – de melhorias nas redes adutoras. Para a extensão foram comprados 12.500 metros de tubo, um investimento de R$ 8 milhões. A primeira adutora, já para este ano, está em fase de licitação e consiste em 2.500 metros de tubos.

Durante 30 minutos o presidente do Semae respondeu às questões de dois vereadores. Laércio Trevisan Júnior (PR) tentou questionar Françoso sobre os rapasses à empresa Mirante, responsável pelo sistema de esgotamento da cidade. “Eu não me recuso a responder ao senhor sobre isso em outro momento, mas hoje estou aqui para falar apenas da falta d’ água”, respondeu.

Aos outros parlamentares que pretendiam apresentar questões relacionadas ao Semae, a orientação do vereador André Bandeira (PSDB) é que poderão ser apresentadas durante audiência pública, agendada para o próximo dia 20 (quarta-feira), às 19h30.

(Beto Silva)