Febre amarela: Saúde imuniza 1.735 pessoas em 15 dias

Com a notícia de casos de febre amarela no Estado de São Paulo, a procura pela vacina em Piracicaba cresceu e, segundo a Secretaria Municipal da Saúde, somente na primeira quinzena deste ano foram 1.735 doses aplicadas. “A título de comparação, no mês de outubro todo foram aplicadas 584 doses. Em Piracicaba há doses suficientes para atender a demanda do município nas 21 unidades que oferecem a vacina”, informou a pasta.
 
Apesar de estar disponível na rede pública, muitas pessoas foram procurar a vacina em clínicas particulares, o que acabou gerando a falta das doses, mesmo elas custando entre R$ 180 e R$ 200. Segundo Letícia Marques Martins, enfermeira do Instituto PAI Vacin, “a procura cresceu 80% desde o começo do ano. Não temos mais a vacina e o laboratório não informou quando chega nova remessa. Os interessados terão que aguardar por elas”.
 
A técnica de enfermagem da CdVac (Clinica de Vacinação), Neilimar Almeida, informou que a vacina também se esgotou e o laboratório responsável ainda não deu previsão para a nova remessa. “Em duas horas recebemos 37 ligações de pessoas pedindo informações. Como não temos a dose aqui, recomendamos que os interessados procurem os postos do município”, informou.
 
A Saúde lembrou que o fato de ter havido novos registros de casos de febre amarela no Estado, nas últimas semanas, não altera as regras de vacinação em Piracicaba, “porque a cidade continua fora das áreas endêmicas, que são aquelas onde há risco de se contrair a doença” e que “ainda, não há casos confirmados da doença nas cidades que fazem fronteira com o município”.
 
A pasta orienta que as a prioridade das vacinas é para a população rural ou que se desloca com frequência para essa área; para quem vai viajar para as áreas endêmicas — inclusive viagens internacionais. “Vale observar que a vacina precisa ser tomada dez dias antes da viagem, tempo necessário para a imunização”.
 
Podem tomar a vacina bebês após os 6 meses e pessoas até os 60 anos. Crianças que foram vacinas contra sarampo, rubéola, caxumba ou catapora devem aguardar um período de quatro semanas. Não podem tomar a vacina mulheres gestantes e as que amamentam. “Existe também contraindicação para aqueles que possuem imunossupressão, causadas por doenças ou medicamentos, e também por alergia à gelatina, proteína do ovo e o antibiótico eritromicina”, diz a assessoria.
A lista completa com as 21 unidades que aplicam a vacina está disponível no site da prefeitura”