Fechamento das lojas no sábado divide opiniões de entidades

Decisão de não abrir mão do descanso neste feriado foi ratificada pela categoria após enquete. (foto: Amanda Vieira/JP)

Os corredores comerciais de Piracicaba vão permanecer fechados no próximo sábado (7), feriado da Independência. Segundo a diretoria do Sincomerciários (Sindicato dos Empregados no Comércio de Piracicaba), a decisão segue o estabelecido na convenção coletiva de trabalho firmada, em dezembro do ano passado, entre a entidade e o Sincomércio (Sindicato Patronal do Comércio Varejista).

De acordo com o Sincomerciários, a decisão de não abrir mão do descanso neste feriado foi ratificada pela categoria, em consulta realizada pela diretoria por meio de enquete em diversos estabelecimentos comerciais.

Segundo o presidente do Sincomerciários, Vitor Roberto, o setor patronal chegou a manifestar desejo que fosse celebrado um novo acordo para garantir a abertura do comércio neste sábado. “Inicialmente, a proposta do setor patronal foi de não garantir nenhum benefício a mais aos comerciários, o que é inaceitável.

No entanto, após uma nova rodada de negociação da campanha salarial da categoria, que aconteceu na tarde de segunda-feira (2) o sindicato patronal ficou de analisar a possibilidade de oferecer um adicional de R$ 18 (vale-refeição), o que foi confirmado no período da noite.

Isso nos levou a consultar comerciários, através de enquete, na manhã de ontem sobre a possibilidade do trabalho neste feriado, com a ampla maioria dos consultados dizendo não à proposta”, argumentou.

O sindicalista disse que entende o momento delicado em que passa a economia brasileira, mas ressalta que como na convenção assinada em dezembro do ano passado já constava feriado neste 7 de setembro, muitos comerciários passaram a considerar este dia como folga. A decisão, no entanto, não agradou outras entidades que representam o comércio na cidade.

O presidente da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), Luiz Carlos Furtuoso, disse que hoje haverá uma assembleia para aprofundar o assunto com o sindicato patronal e empresários. Ele lamentou a decisão do fechamento do comércio no sábado e questionou o tratamento diferenciado dado pelo sindicato aos trabalhadores do comércio.

Por que a desigualdade com os trabalhadores do comércio, por que uns podem e outros não podem trabalhar”, questionou acrescentando que esta semana é de pagamento, o que reflete no aumento das vendas. “Piracicaba é um centro comercial da região, é preciso ter entendimento do que estamos falando”, afirmou.

Para o presidente da CDL (Câmara de Dirigentes Lojistas) de Piracicaba, Reinaldo Pousa, a postura do sindicato dos comerciários vai na contramão do que ocorre no país.

Segundo ele, apenas Piracicaba e uma cidade de Minas Gerais fecharão as lojas neste sábado. Ele afirmou que na reunião, as entidades concordaram com a proposta apresentado pelo sindicato de adicional no vale-refeição. “Depois de definirmos a direção voltou atrás e não assinou o acordo”, afirmou. Pousa classificou como ‘política’ a decisão da entidade que representa os trabalhadores.

O Governo Federal está com uma campanha para que apoiemos o desenvolvimento do Brasil”, afirmou. O presidente da CDL disse que fará o possível para que as lojas abram no sábado.

Beto Silva
[email protected]