Filhote também fica doente

Eles ainda podem nascer enfermos, por isso todo o cuidado é necessário desde a gestação até o nascimento dos filhotes (Fotos: Freepick)

Filhotes, assim como bebês, são muito frágeis e o cuidado com sua saúde é crucial para que o pet não leve sequelas de uma doença de sua infância. Durante as fases da gestação da cadela ou da gata é preciso um acompanhamento e, de acordo com a veterinária Mariana Agnese Bortolazzo, os filhotes podem nascer com verminose, Leishmaniose – doença parasita – entre outros problemas de saúde.

Para tratar e prevenir algumas dessas doenças o uso de vermífugo é receitado ao filhote, que pode já tomar a primeira dose com 15 dias de vida. “Depois da primeira dose, um reforço deve ser feito quando o animal completar um mês. Passado esse período, recomenda-se nova dose do medicamento (vermífugo) mensalmente, até que o pet complete seis meses”, informa Mariana que, ainda ressalta a importância das doses serem prescritas por um médico veterinário, pois a quantidade depende da idade, peso e rotina de um animal.

Ainda se tratando de recém-nascidos a amamentação é primordial para a saúde do filhote. A recomendação da veterinária é que o desamame seja após 40 dias, antes disso a saúde da cria pode ser debilitada. “Nas primeiras 8 horas de vida é crucial que os filhotes mamem regularmente, isso ajudará a garantir que eles recebam o colostro da mãe. O colostro ajuda nos anticorpos e nos fatores de crescimento, que ajudam na imunidade e no desenvolvimento dos filhotes na primeira etapa da vida”, explica.

As doenças mais comuns em filhotes tanto de cães quanto de gatos são verminoses cujo os sintomas são diarreia, perda de peso e barriga inchada. Se não tratado pode piorar levando à morte, por isso um exame de fezes pode indicar se existe uma infecção ou parasitas.

Outras doenças são as Ectoparasitas, transmitidas por carrapatos e pulgas. “O controle desses parasitas pode ser feito com o uso de antiparasitários específicos para filhotes e com o controle das pulgas e carrapatos no ambiente”.

Por último, as doenças que atacam a pele são a sarna e doenças fúngicas. A sarna, causada por ácaros, gera coceira e lesões em pontas de orelhas, focinho, cotovelos, axilas e extremidades do dorso e são altamente contagiosas. Alguns tipos de sarnas são transmissíveis aos homens, as doenças por fungo têm sintomas parecidos e transmitem do mesmo modo, por isso na hora de mexer no pet doente é necessário que o isole de outros animais e não toque diretamente nele até a chegada do veterinário.

Larissa Anunciato
[email protected]