Goleada do Flamengo é a maior dos brasileiros nas semifinais da Libertadores

O recorde anterior pertencia ao Santos, que no segundo jogo da semifinal da Libertadores de 1963, derrotou o Botafogo pelo placar de 4 a 0, com três gols de Pelé e um de Lima. (Foto: Divulgação/CR Flamengo)

O Flamengo derrotou o Grêmio por 5 a 0 na noite da última quarta-feira (23), pelo jogo de volta da semifinal da Taça Libertadores 2019. Com o resultado, o Rubro-Negro, líder do brasileirão, está classificado para a sua segunda final da competição continental, sendo que será a primeira após 38 anos. A goleada, construída após gols de Bruno Henrique, Gabriel (duas vezes), Pablo Marí e Rodrigo Caio, foi a maior envolvendo pelo menos uma equipe brasileira na semifinal da competição mais importante da América do Sul.

O recorde anterior pertencia ao Santos, que no segundo jogo da semifinal da Libertadores de 1963, derrotou o Botafogo pelo placar de 4 a 0, com três gols de Pelé e um de Lima. Assim como na última quarta-feira, aquela partida foi disputada no Estádio do Maracanã.

A goleada do Rubro-Negro na semifinal igualou com a maior vitória de uma equipe argentina na mesma etapa do torneio, já que, na edição de 2014, o San Lorenzo derrotou o Bolívar, da Bolívia, também por 5 a 0 (gols de Matos, Mas, duas vezes, Mercier e Buffarini) e só fica atrás da vitória do Atlético Nacional sobre o Danubio, na Libertadores de 1989, quando a equipe colombiana derrotou os uruguaios por 6 a 0, gols de Alexis García, Usuriaga (quatro vezes) e Níver Arboleda.

Em relação ao placar agregado, o Flamengo avançou com 6 a 1 (a ida terminou empatado em 1 a 1) e só ficou atrás na soma dos placares do próprio Atlético Nacional em 1989 (6 a 0 sobre o Danubio) e do Boca Juniors de 2003, que eliminou o América de Cali também por 6 a 0, após vitórias por 2 a 0 e 4 a 0, respectivamente.

Foram levados em consideração na matéria apenas as semifinais disputadas em confronto direto, ou seja, envolvendo apenas duas equipes no respectivo confronto. Os triangulares semifinais, que foram disputados entre 1971 a 1985 não foram levados em consideração, além das edições de 1966 e 1967, em que foi disputado um triangular e um quadrangular em cada ano para definir os finalistas.

A decisão será diante do atual campeão River Plate, que eliminou o rival Boca Juniors e buscará seu 5º título na competição. A final está marcada para o dia 23 de novembro, no Estádio Nacional de Santiago, no Chile. Porém, em razão da atual situação daquele país, que passa por diversas manifestações, a Conmebol já pensa em mudar a sede da final.

Mauro Adamoli

[email protected]