Governador do Rio quer integração para atrair investimentos

Governador do Rio quer integração para atrair investimentos
Fonte: Agência Brasil

Propostas para atrair investimentos internacionais para o Brasil devem ser um dos pontos da pauta do primeiro encontro de governadores eleitos e a equipe do futuro presidente da República , Jair Bolsonaro, na próxima quarta-feira (14), em Brasília.

Uma das ideias é a harmonização de editais para esse fim. “Quanto mais você tiver uma harmonia para facilitar o investidor internacional entender o mercado brasileiro será melhor para o Brasil. É uma proposta que vamos levar para a reunião de governadores”, disse o governador eleito do Rio, Wilson Witzel (PSC), que nesta quarta-feira (7) cumpre agenda em Brasília.

Articulado pela Frente de Governadores pelo Brasil, criada pelos governadores João Dória (SP), Witzel e Ibaneis Rocha (DF), que também serão os “co-anfitriões da reunião, outro assunto que também deverá ser muito forte é segurança pública.

Rio de Janeiro - O candidato ao governo do estado do Rio, Wilson Witzel ( (PSC/PROS), participa de caminhada no bairro de Campo Grande, zona oeste da cidade.

Wilson Witzel quer atrair investimentos internacionais para o Brasil    (Arquivo/Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Witzel e Dória já iniciaram no último sábado (3), em São Paulo, conversas para discutir uma pauta integrada entre os dois estados. Além das presenças dos futuros ministros Paulo Guedes (Economia) e Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Bolsonaro também deve participar do encontro.

Pautas

A reunião entre o estreante na política Witzel e bancada do PSC nesta quarta-feira foi de cortesia e apresentação. Segundo ele, uma das prioridades do Rio de Janeiro na Câmara é a votação da proposta de securitização da dívida ativa dos estados e depósitos judiciais para pagamento de precatórios, o que pode ajudar o Rio a controlar o déficit orçamentário, segundo ele.

“Estamos conversando com a bancada sobre o momento certo da votação e como é que vamos encaminhar isso”, disse.

Sobre a reforma da Previdência que, para avançar na Câmara, como pretende a equipe de transição do presidente eleito, depende primeiramente do fim da intervenção federal no Rio de Janeiro, Witzel disse que a análise sobre se o estado está pronto para deixar a intervenção cabe ao atual governador, Luiz Fernando Pezão.

“Estou me preparando para a partir de 1º de janeiro de 2019 o Rio estar sem intervenção”, disse. Acrescentou que a reforma é urgente e precisa ser votada o mais rápido possível.

No fim da tarde desta quarta-feira, o futuro governador do Rio será recebido pelo presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto.

Governador do Rio quer integração para atrair investimentos