Grupos organizam manifestações contra Lula na terça-feira

Após quase quatro meses sem realizar manifestações na cidade, o MBL (Movimento Brasil Livre) e o VPR (Vem Pra Rua) devem voltar a realizar ato público em Piracicaba. Conforme divulgação nas redes sociais, os dois movimentos vão se reunir na próxima terça-feira (3), em locais e horários diferentes, um dia antes de o STF (Supremo Tribunal Federal) deliberar sobre o pedido de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), após condenação em segunda instância.
 
O ato do MBL será em frente à Câmara, às 17h30, e o VPR, às 18h, na praça José Bonifácio, e com apoio da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba). “A ideia é os dois grupos se encontrarem, no entanto, vamos protestar contra o adiamento da votação do projeto de decreto legislativo 73/2017, que revoga o Título de Cidadão Piracicabano do Lula”, afirmou o porta-voz do MBL, Luis Gustavo Bená.
 
Com o slogan “Ou você vai, ou ele Volta!”, o Vem Pra Rua confirmou 48 cidades de 14 estados. “O VPR quer mobilizar a população que defende a democracia, o combate à corrupção e uma Justiça que seja imparcial e igual para todos”, informou a assessoria. “Passamos muito tempo achando que a lei não funciona para os poderosos e para os políticos. Agora precisamos dar o recado aos ministros do STF”, disse o porta-voz do movimento em Piracicaba, Willian Bueno. 
 
De acordo com o vice-presidente da Acipi, Luiz Carlos Furtuoso, a lei deve ser aplicada a todos e, a concessão do habeas corpus vai contra os esforços da Operação Lava Jato. “Mais importante ainda é o fato de que isso abre precedentes para que outros criminosos, que cometeram outros tipos de delitos graves contra a sociedade, possam ter suas prisões revistas após condenação, o que caracteriza um retrocesso, por isso, a participação da sociedade é necessária.”
 
 
NOTÍCIA FALSA — Na semana passada, surgiu uma “fake news” (ou notícia falsa), em que o MBL supostamente faria ato pedindo a prisão do prefeito Barjas Negri (PSDB). A notícia circulou pelas redes sociais e WhatsApp e trazia uma arte com Barjas atrás das grades, com a inscrição “3 de abril — Manifestação Barjas na cadeia”. Por meio da chefia de gabinete, a prefeitura informou que “logo nas primeiras postagens, já fez contato com o MBL e descobriu que era uma fake news”. Já o MBL explicou que “providências legais já estão sendo tomadas, pois já temos indícios dos responsáveis e demos início às medidas cabíveis.”