GSI prevê necessidade de reforçar proteção a Temer

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República prevê que será necessário reforçar medidas de proteção ao presidente Michel Temer neste ano, principalmente, caso ele leve adiante o plano de disputar a reeleição. O acirramento do debate político, evidenciado pelos tiros disparados contra ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, elevou a preocupação com a segurança do emedebista.

Autoridades do governo avaliam que se instaurou no País, de maneira inédita, um clima de rivalidade e ódio político, como ficou patente nos confrontos entre militantes petistas e opositores ao longo do trajeto da caravana de Lula. Segundo uma fonte ouvida sob a condição de anonimato, o “humor” da campanha preocupa e não haveria como oferecer “garantia absoluta” de segurança a Temer.

O Planalto ainda não decidiu quais medidas práticas adotará, mas estuda formas de redobrar os cuidados com a exposição de Temer, sobretudo em eventos públicos – sem ferir a legislação eleitoral, para não caracterizar favorecimento ao presidente. Mesmo durante a campanha, cabe aos militares do GSI coordenar a segurança do presidente e familiares. Os demais candidatos, quando solicitam, dispõem de equipes de escolta da Polícia Federal, depois das convenções partidárias.

Ex-presidentes possuem oito servidores, por eles escolhidos, para segurança e apoio pessoal, além de dois veículos custeados pela Presidência. Todos são vinculados à Secretaria-Geral da Presidência, embora parte deles seja treinado pelo GSI.

Normalmente, a Agência Brasileira de Inteligência (Abin), subordinada ao GSI, faz monitoramento constante de possíveis manifestações que podem ocorrer próximo a compromissos públicos do presidente. É com base em mapeamentos como esse e análise de risco que se planeja o esquema de segurança e pode-se até aconselhar Temer a ir ou não a determinada agenda.

Até agora, os episódios que mais preocuparam o GSI foram relacionados à casa particular do presidente no Alto de Pinheiros, em São Paulo. Em uma ocasião, um homem tentou invadir o local, com familiares e a primeira-dama, Marcela Temer, dentro. Ele danificou o portão com um pedaço de madeira e tentou pular o muro, mas terminou preso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.