Há 111 anos, Brasil vencia os mosquito

No fim do século 19, as condições de saneamento nos principais centros urbanos do País eram insalubres. Mesmo na antiga capital, o Rio, o problema era grave e motivo direto das recorrentes epidemias de febre amarela. A situação era tão séria que muitos navios estrangeiros simplesmente evitavam aportar por aqui. O Brasil recebeu a alcunha de “túmulo dos estrangeiros”.

Rodrigues Alves assumiu a Presidência da República em 1902 disposto a mudar radicalmente aquela situação. Já no ano seguinte, Oswaldo Cruz foi chamado para assumir a diretoria-geral de Saúde Pública, um cargo similar ao de atual ministro da Saúde. Sua missão era acabar de vez com a febre amarela. O médico logo criou o Serviço de Profilaxia, que colocou nas ruas as chamadas brigadas de mata-mosquitos – agentes sanitários que tinham por objetivo eliminar os focos do vetor da época, o Aedes aegypti. O modelo de ação era autoritário: agentes entravam à força nas casas para destruir os locais de desova do mosquito.

Mas surtiu efeito: em 1907 a epidemia foi considerada erradicada. Desde o fim dos anos 1920, praticamente não houve nenhum surto epidêmico nas cidades. E desde 1937 a vacina está disponível. O último registro oficial de transmissão do vírus em uma cidade brasileira é de 1942. “A população era muito menor do que hoje, e a política sanitarista era totalmente truculenta, inaceitável atualmente”, pondera a historiadora da Ciência Danielle Sanches, da Fundação Getulio Vargas (FGV). “Mas a gente perdeu um pouco o bonde dessa busca pelo saneamento.”

Na avaliação do historiador Marcos Cueto, da Casa de Oswaldo Cruz, passou a predominar no País uma atitude passiva e tolerante. Segundo o também editor científico da revista História, Ciências e Saúde – Manguinhos, não houve uma política de vacinação entre a população urbana justamente no momento em que as cidades mais cresceram. “A febre amarela urbana inspira um pânico por causa dessa memória coletiva, essa lembrança inconsciente desses tempos calamitosos da epidemia urbana”, afirma o historiador Jaime Benchimol, da Fundação Oswaldo Cruz. “E existe um risco de fato de uma volta da doença. Temos conhecimento de sobra, mas não temos é vontade política de enfrentar a situação.”
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.