Hoje é Dia Nacional do Carteiro

Hoje, 25 de janeiro, comemora-se o Dia Nacional do Carteiro. Em todo o Brasil, são mais de 57 mil carteiros, sendo 7.087 no interior do Estado de São Paulo.

Em Piracicaba, Josué Silva Vanderlei tem 46 anos, com 28 deles dedicados a essa profissão. Ao lado dele, Madalena Ribeiro, 40, e há 10 na profissão, o reconhecimento vem da sociedade. “É uma grande conquista na minha vida, sobretudo por ser mulher. O mundo dos carteiros era um meio destinado aos homens e nós provamos que podemos fazer um trabalho tão bom quanto o deles. Somos minoria ainda, mas é bom participar desta classe”, comentou Madalena.

A profissão de carteiro tem diversos desafios diários, como o clima e a atitude de alguns clientes, como conta Luis Alberto Tinelli, de 58 anos e há 10 sendo carteiro. “Posso dizer, com certeza, que o nosso principal adversário é o sol, que principalmente neste mês está nos judiando bastante. É um trabalho difícil, mas gratificante”, disse.

Além de realizar seu trabalho, os carteiros também precisam ficar em dia com as novidades tecnológicas, que também os auxiliam no trabalho, como conta Renata Fabiana Ferraz, 41, há 15 anos na profissão. “Os sites de rastreamento nos auxiliam bastante. Alguns pensam que pode ser uma pressão a mais com o cliente sabendo de todos os passos, mas nos ajuda, já que também mostra que o nosso trabalho é bem-feito”, explica Renata, que destaca que o aplicativo dos Correios, com informação em tempo real, também ajuda a categoria.

Um problema antigo dos carteiros é em relação aos cachorros, que por serem muito territoriais, acabam atrapalhando as entregas e, às vezes, causam acidentes. “Já tive alguns incidentes com cães domésticos, porém o problema maior é com o de rua. Algumas pessoas ficam com dó e colocam comida e água para eles em suas portas e o cachorro acaba achando que aquele espaço é seu e ataca a qualquer sinal de invasão”, comenta Josué, que afirma que os carteiros podem colocar a encomenda no chão caso o cachorro tenha o costume de atacar a caixa do correiro para evitar levar uma mordida.

Entre uma encomenda e outra, os carteiros também tem seus dias de heróis, ajudando os moradores a evitarem acidentes e até salvando vidas. “Um dia estava entregando as cartas normalmente e escutei um som abafado, vindo do carro estacionado. Cheguei mais perto, já que o vidro estava embaraçado e vi uma mulher me pedindo ajuda através de sinais. Ela sinalizou para ir a cozinha e pegar a chave do carro, já que estava presa junto com o filho. Abri o carro e ela me agradeceu muito”, conta Josué sobre seu dia de herói.

Luis Alberto também salvou a vida de uma pessoa. “Estava passando pela av. Raposo Tavares, quando um cara, que estava em um caminhão, saiu e começou a falar no celular. Ele esqueceu de puxar o freio de mão e o caminhão vinha na direção dele. Comecei a correr e gritar para ele desviar. No final, o salvei, porém um carro que estava na frente, ficou destruído”, detalha Luis Alberto.

Mauro Adamoli

[email protected]