Homem é acusado de se masturbar em ônibus

suspeito Suspeito responde processo por estupro da filha. ( Foto: Claudinho Coradini/JP)

Um homem de 37 anos foi preso após ser acusado de se masturbar dentro de um ônibus, ontem de manhã. O motorista do transporte coletivo tinha acabado de sair do TCI (Terminal Central Integração) e estava parado em um semáforo, quando foi avisado por duas passageiras, de 28 e 51 anos. O motorista retornou ao terminal, e avisou a Guarda Civil. O suspeito foi levado à DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), onde foi autuado em flagrante sob acusação de atos obscenos. Segundo a GC, o acusado permaneceu preso por ter outros antecedentes e responde processo pela denúncia de estupro de vulnerável. Ele teria molestado sexualmente, a própria filha de cinco anos.

O guarda civil Clemente e Edivan estava no terminal, quando foram avisados pelo sistema de rádio da corporação, sobre o homem que estava dentro de um coletivo, que fazia a linha Vila Sônia-Centro.

“Chegamos junto com as equipes dos GCs Franzin, Janaína, Acir e Junior . O motorista abriu a porta do coletivo urbano e suspeito abordado. Ele negou a acusação, mas as duas passageiras confirmaram que ele exibia suas partes íntimas para as mulheres”, afirmou o GC Clemente.

Segundo a Guarda Civil, minutos antes dele ser abordado, o suspeito tinha saído da DDM, onde foi prestou depoimento sobre o processo que responde sobre estupro de vulnerável, envolvendo a sua filha. Ele também já cumpriu pena devido à outros envolvimentos em crimes sexuais.

O suspeito permanecerá na carceragem até ser apresentado à audiência de custódia.

CAMPANHA — No mesmo local onde o homem teria importunado as passageiras acontece a exposição Penhas, que fica no TCI até domingo (2). As bonecas, chamadas Penhas, estão distribuídas por todo Terminal Central. A mostra faz parte das ações da Via Ágil que em outubro lançou a campanha Me respeite, em parceria com a Semuttran (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes), Cram, Conselho Municipal da Mulher, Guarda Civil, MobCidades, Promotoras Legais Populares, Smads (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social) e Fussp (Fundo Social de Solidariedade de Piracicaba).

Denúncias podem ser feitas na Guarda Civil (153), Central de Atendimento à Mulher em situação de Violência (180) e DDM pelo (19) 3433-5878.

(Cristiani Azanha)