Homem é preso acusado de tentar matar mulher grávida

Rio Vítima foi amarrada em árvore, mas conseguiu fugir se jogando no rio Piracicaba. ( Foto: Arquivo/JP)

Um mecânico de 36 anos foi preso após ser acusado de tentar matar e torturar sua esposa, grávida de oito semanas. A vítima foi amarrada em uma árvore, na zona rural de Piracicaba, mas conseguiu se soltar e pulou no rio Piracicaba. A mulher foi levada pela correnteza e socorrida por três pessoas. Ela foi levada para o Hospital Fornecedores de Cana, onde recebeu atendimento médico e em seguida avisou a Polícia Militar. O suspeito foi localizado quarta (14), em sua residência, que fica na mesma região. Ele escreveu um bilhete, supostamente falso para informar a polícia que sua esposa tinha sido sequestrada. Ele foi encaminhado à DDM (Delegacia de Defesa da Mulher), onde foi autuado em flagrante pelas acusações de tentativa de feminicídio, violência doméstica e falsa comunicação de crime.

Por volta das 8h30, o próprio mecânico entrou em contato com a Polícia Militar, pelo 190. Uma equipe foi até sua residência para averiguar a denúncia.

“Ele apresentou versões desconexas e a princípio ficamos desconfiados. Ele apresentava vestígios de luta corporal, pois tinha sinais de arranhões nos braços. O suspeito indicou um local na área rural, onde um aplicativo teria apontado a localização do celular da esposa. Durante a conversa, ele disse que a esposa está grávida e, a partir daí, pesquisamos nos hospitais e localizamos a mulher na maternidade do Hospital Fornecedores de Cana”, comentou o soldado da PM Willian Rodolfo.

A vítima informou aos policiais, que passou a noite com o agressor. A mulher foi amarrada pelas mãos e pés e atingida com socos no rosto. Segundo a vítima, seu marido chegou a falar que “arrancaria o feto de sua barriga e a obrigaria comê-lo”. Ele teria pegado uma barra de ferro e afirmou para a mulher que a cada pergunta que não respondesse corretamente iria apanhar. O agressor chegou ainda a retirar a tampa de um poço e falou para a vítima que iria jogá-la. Depois procuraria a polícia para simular um sequestro. A mulher conseguiu soltar-se e pulou no rio Piracicaba. Devido a correnteza o agressor não conseguiu segui-la.

(Cristiani Azanha)