Homem mata a ex-mulher e se suicida em Piracicaba

Vítima tinha medida protetiva contra agressor (Reprodução)

A autônoma Adriele Francine Dezzotti, 33, foi assassinada a tiros pelo ex-companheiro, no interior de uma loja de pneus, no bairro Dois Córregos, na manhã de segunda-feira. De acordo com a Polícia Civil, ele atirou três vezes em direção a vítima. Um dos tiros acertou o chão, e os demais atingiram o braço e cabeça de Adriele. O autor foi apontado pela polícia como sendo o gerente Marcos Alves, 49, que não aceitava a separação. Após o crime, ele se matou após atirar contra o próprio peito. O casal teve um relacionamento por sete anos e estava separado desde maio de 2019. A vítima tinha uma medida protetiva para afastamento do agressor decretado pela Justiça.

A delegada da DDM (Delegacia de Defesa da Mulher) Olívia dos Santos Fonseca disse que o agressor não poderia se aproximar a menos de 200 metros da vítima.

 

Funcionários tentaram defender a vítima (Divulgação)

 

“Ele foi até a loja de pneus, por volta das 8h40 e disse que queria conversar com a vítima. O homem pediu para que ela fosse até a frente da loja para conversarem, mas a mulher se recusou e disse que poderia falar naquele local mesmo. O agressor tirou uma arma que trazia consigo e a vítima correu para o interior da loja para pedir ajuda. Alguns funcionários tentaram intervir a favor da vítima, mas ele chegou a apontar a arma em direção deles. Naquele momento, passou a atirar em direção à vítima. Depois atirou contra o próprio peito, que provavelmente atingiu o coração”, disse a delegada.

Os socorristas do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram até ao local, mas o casal não resistiu. O revólver calibre 38, usado pelo gerente foi apreendido pela Polícia Civil. A Guarda Civil preservou o local até a chegada dos peritos do IC (Instituto de Criminalística)

O subinspetor da Guarda, Canova, disse que quando as equipes da corporação chegaram ao local, o casal já estava morto. “Os funcionários estavam muito nervosos. Já tinham preservado o local e as portas já estavam abaixadas”, afirmou Canova.

INVESTIGAÇÃO

A Polícia Civil apurou que a mulher é cliente da loja desde 2016. Ela foi até ao estabelecimento para verificar um barulho estranho que percebeu em seu veículo. O carro já estava no elevador, quando o acusado chegou. Ele estava a uma distancia de mais ou menos um metro da vítima quando começou a atirar. A polícia também confirmou que a vítima tinha medida protetiva decretada pela Justiça desde o dia 24 de outubro de 2019.

“Ainda não confirmamos a motivação do crime, mas não nos resta dúvidas que se trata de um feminicídio. Vamos apurar se ele já portava a arma ou se ele pegou a arma para ir atrás da vítima. Ainda não sabemos o conteúdo da discussão, se foi por ciúmes ou outro motivo. Tudo isso será apurado posteriormente”, enfatizou a delegada.

 

Cristiani Azanha

[email protected]