Hospital Regional de Piracicaba completa um ano com 42 mil atendimentos

hospital regional Hospital Regional de Piracicaba foi inaugurado em março de 2018 (Foto: Arquivo JP)

O Hospital Regional de Piracicaba “Dra. Zilda Arns” completa – nesta terça-feira (19) – um ano de atividades, com balanço de aproximadamente 42 mil atendimentos, no total. Desde sua inauguração, a unidade já realizou 20.505 consultas, 2.715 cirurgias hospitalares e ambulatoriais, e 18.732 exames, como endoscopia, colonoscopia, ecocardiografia, ressonância magnética, tomografia, entre outros, ultrapassando as metas previstas para o primeiro ano de funcionamento.

Com capacidade total de 132 leitos, o hospital é referência para as 26 cidades da região de Piracicaba e foi inaugurado em março de 2018, com a finalidade de atender exclusivamente os pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde). O Governo do Estado investiu R$ 34 milhões em obras e aquisição de mobiliários e equipamentos.

De acordo com a assessoria de imprensa da instituição, o funcionamento da unidade tem sido ampliado gradativamente. Para 2019, está prevista a ativação de 60 leitos e a oferta de especialidades como urologia, cirurgia buco-maxilo, cirurgia plástica e cirurgias ginecológicas.

A inauguração do Hospital Regional é a concretização de um desejo antigo dos piracicabanos, mas que só conseguiu se viabilizar graças ao empenho das últimas gestões municipais em parceria com o Governo do Estado. Trata-se de uma estrutura com alta tecnologia, atendimento 100% SUS e que traz a marca da Unicamp como gestora, uma instituição referência em gestão hospitalar. A unidade atende atualmente centenas de pessoas da microrregião de Piracicaba, além de ampliar a rede pública de saúde do município”, afirmou o secretário de Saúde, Pedro Mello.

Até o momento, estão em funcionamento dez leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva)adulto, oito de semi-intensiva e 42 de enfermaria clínico-cirúrgica.

Um termômetro das conquistas nesse primeiro aniversário é o índice de indicação do hospital pelos pacientes internados: 99,13%. “Atribuímos a boa avaliação do público à cultura de nossa instituição: gestão participativa associada à profissionais que trabalham para atender de maneira eficiente, priorizando a qualidade assistencial e a humanização”, destaca o superintendente do hospital, Pedro Potin.

(Beto Silva)