Inaugurada primeira fase de crematório do Grupo Unidas

falecimento Autoridades participaram de inauguração de crematório ontem de manhã. ( Foto: Amanda Vieira / JP)

O Grupo Unidas inaugurou ontem a primeira fase do crematório de humanos e pets de Piracicaba e região. O prédio foi construído em uma área de dez mil metros quadrados no bairro Chicó, no limite com a cidade de Saltinho. De acordo com os dados da direção do crematório, desde 18 de julho – quando houve a liberação da licença pela Cetesb (Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo) – até o momento, foram cremados 12 corpos humanos e dois pets. O preço para cremação de humanos é de R$ 2.340 enquanto a cremação individual de um animal custa R$ 650. Para os pets, há a opção de cremação em grupo ao custo de R$ 300. Apenas na cremação individual as cinzas são devolvidas à família.

O diretor Alcides do Carmo Burcarte Júnior disse que foram quatro anos, desde a idealização do projeto, até a conclusão do crematório. Segundo ele, as licenças ambientais para o funcionamento demandam muito tempo. Burcarte destacou os impactos positivos ao meio ambiente com a cremação. “é uma forma de conservação do planeta, os aparelhos e equipamentos atendem aos critérios e normas vigentes, tudo isso foi pensando cuidadosamente para garantir a tranquilidade das famílias”, afirmou.

A direção do crematório destaca a questão ambiental como principal fator pelo qual cresce a cada dia a procura pela cremação, pois o processo impede que o solo e lençóis freáticos sejam contaminados, fato que pode ocorrer nos solos dos cemitérios tradicionais. “ Cada vez mais os locais adequados para sepultamentos estão ficando escassos e caros devido ao crescimento populacional, o que requer soluções práticas e higiênicas, como é o caso da cremação”, afirmou o diretor.

SATURAÇÃO — O prefeito Barjas Negri participou da cerimônia de inauguração do crematório nesta sexta-feira. Ele destacou a importância do serviço para a cidade e região e o ganho ambiental. Segundo ele, dos três cemitérios existentes na cidade, dois estão caminhando para o limite da utilização. “Temos os cemitérios da Vila Rezende, da Saudade e da Ressurreição e esses dois primeiros já estão chegando à saturação”, observou. Barjas disse que as licenças para ampliação são demoradas e que a Sedema (Secretaria MUnicipal de Defesa do Meio Ambiente) vem atuando na recuperação de túmulos construção de ossários e o crematório resolve parte dos problemas enfrentados pelo setor. “ A construção desde crematório não foi tarefa fácil e chegar até aqui foi um longo caminho percorrido”, concluiu.

Para contratar o serviço de cremação existe um documento denominado “Declaração de Vontade” que pode ser preenchido e registrado em cartório pela própria pessoa.

(Beto Silva)