Inclusão social é tema de exposição fotográfica na Câmara de Vereadores

exposição Fotógrafo Jefferson Palladino,proprietário da escola. ( Foto: Sidney Jr)

Mostra reúne 32 fotos que retratam o cotidiano dos atendidos pela Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais); imagens podem ser vistas até dia 14. (Fotos: Raul Bonin Aguiar, Tiago Mello, Márcia Jusan Fernandes).

O hall do Salão Nobre Helly de Campos Melges, da Câmara de Vereadores de Piracicaba, sedia até 14 setembro a exposição fotográfica O Poder do Retrato Como Forma de Inclusão, realizada por alunos e ex-alunos da Escola de Fotografia Palladino. As 32 fotos que compõem a mostra retratam o cotidiano dos atendidos pela Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), que dá assistência a pessoas com deficiências intelectual e múltipla e com transtornos invasivos do desenvolvimento. As imagens podem ser vistas gratuitamente, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h.

Este foi o primeiro trabalho realizado pela Escola Palladino com deficientes, segundo o proprietário da unidade, o fotógrafo Jefferson Palladino. “A ideia inicial surgiu para possibilitar aos alunos da escola o contato com o retrato, mas saímos de lá com outro pensamento. Percebemos que foi muito mais uma vivência humana do que fotográfica”, comentou o profissional. E acrescentou. “É necessário lembrarmos o quão importante é incluir estas pessoas em nossa sociedade. A Apae é um órgão de doações. O trabalho deles é incrível e é preciso mostrar que existe aquele problema todos os dias. Não é só nós doarmos uma vez e achar que está feito”, afirmou.

As fotografias foram feitas, voluntariamente, em maio, com as turmas dos períodos da manhã e da tarde da Apae. Além de imagens posadas e individuais, os assistidos pela instituição foram clicados em momentos espontâneos, participando de aulas de artes e de educação física e em diversas outras atividades.

Palladino explicou que organiza na escola passeios fotográficos a fim de que os alunos da unidade coloquem em prática o que aprendem em aula. “Não imaginamos a dificuldade que sentiríamos, alguns deficientes são acanhados, outros atirados. Alunos com autismo, por exemplo, não possuíam nenhum tipo de reação. Foi algo muito importante para os alunos fotografarem”, falou.

Além do docente, participaram da ação os fotógrafos Juliana Terra, Márcia Jusan Fernandes, Maria Roseli de Freitas Silva, Tiago Mello, Raul Bonin Aguiar, Patrícia Diniz Bento Bernardo, Eliana dos Santos Gomes Almeida, Edna Celeste Salgado Bruzasco e Isabela Helena de Campos da Silva.

“Queremos, com a exposição, provocar uma mudança de paradigma, tirar as pessoas da zona de conforto e trazê-las mais para perto deste universo, criando assim novos agentes multiplicadores em prol da inclusão e da acessibilidade, disse Palladino.

MAIS — Jefferson Palladino contou que tem planos para realizar o mesmo projeto no Lar dos Velhinhos, instituição de assistência social a idosos, e na Fazendinha do Vô Bráulio, em São Pedro, que tem variadas espécies de animais.

MOÇÃO — A exposição teve apoio do vereador André Bandeira (PSDB), autor de moção de aplausos à Escola de Fotografia Palladino, justamente por conta do projeto. A cerimônia de entrega da homenagem foi feita na tarde de ontem, na Câmara.

SERVIÇO — Exposição fotográfica O Poder do Retrato Como Forma de Inclusão, no hall do Salão Nobre da Câmara de Vereadores (rua Alferes José Caetano, 834, Centro). Visitação: até 14 de setembro, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Entrada gratuita. Informações: (19) 3403-7130.

( Da Redação)