Insatisfação no transporte público

Felipe Poleti

 A superlotação dos veículos e o preço da passagem são as maiores causas de insatisfação dos usuários com o transporte público na cidade

Num passado não muito distante a Prefeitura de Piracicaba deu início a um trabalho intenso de melhoria no transporte público coletivo da cidade. A proposta contemplava – entre os principais pontos – a renovação e modernização da frota, a criação de corredores preferências, novos pontos de paradas cobertos e a revitalização e construção de novos terminais de ônibus, bem como uma tarifa “mais justa” à população por intermédio de repasses do Ministério das Cidades, do governo federal na ordem de pouco mais de R$ 55 milhões.

Atualmente, a maior parte deste trabalho já foi concluída, porém, as reclamações persistem junto aos usuários. Em matéria feita pela repórter Eliana Teixeira, e que está na página A3, mostra uma pesquisa de satisfação realizada pelo Observatório Cidadão de Piracicaba sob coordenação do professor Roberto Braga, do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp (Universidade Estadual Paulista) que aponta a superlotação dos veículos e o preço da passagem como as maiores causas de insatisfação dos usuários com o transporte público na cidade. Apesar dos pesares, a prefeitura vê a pesquisa com bons olhos, lembrou das recentes melhorias feitas nos terminais e pontos, bem como o recente lançamento de um aplicativo para smartphones, o MooviT, que traz de forma fácil e rápida os horários e itinerante dos ônibus da cidade. Agora é preciso aguardar para que os demais problemas sejam sanados o quanto antes.

Outro tema importante e que não se pode deixar de lado é a infestação de animais peçonhentos que a cidade tem enfrentado, principalmente de escorpiões. Na matéria do repórter Beto Silva, na página A4, uma moradora do bairro Pauliceia relata as dificuldades e os problemas com a aparição de aranhas e escorpíões em sua casa. O motivo: o terreno ao lado está com mato alto, ou seja, ambiente propício para estes animais se alimentar e proliferar. A orientação é que, nessas situações a prefeitura seja acionada para fazer a limpeza do espaço – quando ele for público – ou cobrar do proprietário, por meio de multas, a limpeza. Além disso, é importante lembrar que é possivel prevenir-se da presença indiscreta destes aracnídeos, entre elas está a vedação de ralos, portas e janelas – com um pano molhado mesmo – já inibe o aparecimento destes animais dentro de casa. Como em todas as situações de risco à nossa saúde, a prevenção é sempre a melhor saída.