Instituto Passe de Mágica retoma as atividades

Projeto atende crianças e adolescentes de 7 aos 17 anos (Foto: Divulgação)

As atividades do Instituto Passe de Mágica, associação sem fins lucrativos criada pela medalhista olímpica e campeã mundial de basquete, Magic Paula, foram retomadas na última semana após o período de férias. O projeto, que busca promover a prática do esporte para o desenvolvimento humano, atende cerca de 900 crianças e adolescentes em sete núcleos. “O primeiro contato foi bastante esperado. Neste momento, os educadores procuram resgatar o conteúdo, não apenas no que diz respeito às atividades, mas também de valores humanos”, contou Paula Asbahr, supervisora dos pólos instalados em Piracicaba.

Na cidade, onde Magic Paula fez história dentro das quadras, o projeto é desenvolvido com atividades no Tiro de Guerra (rua Anhanguera, 362, bairro Morumbi). As aulas acontecem às terças e quintas-feiras: das 8h às 9h30 para crianças de 7 a 11 anos, e das 9h30 às 11h na faixa etária dos 12 aos 14 anos. No período da tarde, as ações também têm uma hora e meia de duração, e acontecem a partir das 13h30 para meninos e meninas de 7 a 11 anos. Na sequência, é a vez da turma de adolescentes (14 a 17 anos), com início às 15h.

Além do Tiro de Guerra, o Instituto Passe de Mágica possui um núcleo no Ginásio Poliesportivo Roberto Filetti, que fica na Avenida Euclides Figueiredo, no bairro Vila Sônia, próximo ao terminal. Os horários e turmas são os mesmos, porém, as atividades acontecem às quartas e sextas-feiras. “Queremos trazer mais crianças e adolescentes para cá. No Tiro de Guerra, há vagas para crianças de 7 a 11 anos no período da manhã. No Vila Sônia, para adolescentes de 12 a 14 anos, também de manhã. As vagas estão abertas para todas as turmas”, disse a supervisora. As inscrições são gratuitas. Mais informações podem ser encontradas pelo telefone (19) 3377-5911 ou diretamente nos núcleos.

Os primeiros dias de atividades após as férias foram marcados pela disposição dos educandos, que além dos exercícios, puderam resgatar o que tinham feito nos projetos anteriores. “O resgate é feito principalmente em relação ao conteúdo humano, valores e competências desenvolvidas”, relatou Paula Asbahr. “Nos preocupamos com o sentimento. Quando uma aula acaba, perguntamos se eles se divertiram, porque entendemos que quando é divertido, a criança quer voltar. A diversão gera o encantamento e, depois, o amor pelo esporte. É passo a passo”, completou.