Isac Lucca, lutador dentro e fora do ringue

Isac pratica kickboxing, boxe e jiu-jitsu (Foto: Amanda Vieira/JP)

O jovem lutador piracicabano Isac Lucca, de 16 anos, participará da Copa Brasil de Boxe, de quinta-feira (5) até domingo (8), na cidade de Maringá-PR. Além do boxe, Isac, que luta na categoria Sub-17 até 57kg, também compete no kickboxing, em que já tem um vasto currículo, e começou recentemente no jiu-jitsu, com o objetivo de aprimorar suas técnicas para entrar no ramo do MMA (Mixed Martial Arts ou Artes Marciais Mistas).

No Paraná, Isac não terá a pressão de lutar para se classificar ao Campeonato Sul-Americano no Peru, já que por ser campeão brasileiro e estar na liderança do ranking, já tem vaga garantida. “Entrarei mais tranquilo, já que não luto pela pressão de me classificar, portanto conseguirei trabalhar melhor. Em 2018 lutei com essa pressão, mas agora não terei essa preocupação”, explicou Isac, que é participa CBKB (Confederação Brasileira de Kickboxing) e a Wako (World Association of Kickboxing Organizations), além de estar invicto há um ano e meio.

Para seguir o seu sonho de poder participar de torneios de kickboxing e boxe, Isac lutava dentro do ringue para aperfeiçoar suas técnicas, ele batalha fora dele, já que para conseguir o dinheiro para a disputa do último Pan-Americano, disputado em Cancún, ele e seu pai passaram dois anos pedindo dinheiro nos semáforos da cidade. “Quando começou o ano de 2017, decidimos pedir dinheiro no semáforo, já que tinha estava treinando muito bem, ganhando títulos e tinha grandes chances de ganhar o Brasileiro, que valia vaga para o Pan-Americano. Depois que ganhei os títulos no Paulista, Copa do Brasil e Brasileiro, o nosso trabalho no semáforo ficou mais intenso, já que tinha conquistado a vaga”, explicou Isac.

Após o Sul-Americano, o lutador continuo no semáforo, porém depois da repercussão, ele ganhou alguns apoiadores para conseguir o dinheiro necessários para as viagens. “Alguns meses atrás, usava o dinheiro que conseguia no semáforo com o meu pai, depois que o meu patrocinador me descobriu começou a ajudar a bancar a viagem, porém meu pai continua me ajudando quando tenho que lutar fora”. A viagem para Cancún foi com o dinheiro arrecadado no semáforo. Depois que viram uma matéria a respeito desta história, gerentes da Caixa Federal começaram a ajudar a bancar, porém a maioria do dinheiro foi conseguido em dois anos no semáforo”, disse o lutador, explicando que para o Sul-Americano, que será disputado em novembro, no Peru, já está quase tudo certo. “Falta alumas coisas ainda, porém meu pai já comprou a passagem, que é a parte mais cara. Agora falta comprar o dólar e o dinheiro para pagar o hotel. A firma dele, a BRZ também está ajudando”, resumiu o jovem campeão.

Isac já foi campeão pan-americano de kickboxing na cidade de Cancún, no México; vice Sul-americano em Foz do Iguaçu-PR, campeão paulista, da Copa São Paulo, brasileiro e da Copa América; sendo que o mais recente foi o título do Festival de Boxe Miguel de Oliveira, disputado no último dia 24, na cidade de Osasco.
O lutador é patrocinado pelo Instituto BRZ Dona Nenen e conta com os seguintes apoiadores: Ótica CS, Xtransportes, Mika Presentes, Pão do Mario, Villa Grill, Café Real, Olaria Schavolin, Programa Bola na Várzea e TV Piracicaba Agora, além de apoio do Jornal de Piracicaba.

Mauro Adamoli