Japão: Ministro busca melhorar relações com a China durante encontro em Pequim

O ministro japonês de Negócios Estrangeiros, Taro Kono, expressou a esperança de melhorar as relações com a China durante as negociações que aconteceram neste domingo em Pequim, que também abordaram esforços conjuntos para combater o programa nuclear da Coreia do Norte.

No discurso de abertura do encontro com seu colega chinês, Wang Yi, Kono disse que, como a segunda e terceira maiores economias do mundo, a China e o Japão “têm uma grande responsabilidade em salvaguardar a estabilidade e a prosperidade da Ásia e do mundo em geral”.

Wang disse que a China faz avaliações positivas sobre a relação com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, mas que ainda existem dificuldades. “Atualmente, as relações sino-japonesas estão em uma etapa crucial. Existe um progresso positivo, mas muitos distúrbios e obstáculos permanecem “, disse Wang.

O Japão adotou medidas mais rigorosas contra a Coreia do Norte, que disparou um míssil balístico sobre a ilha japonesa de Hokkaido em agosto. Nas suas observações, Kono sublinhou a necessidade de uma frente unida contra Pyongyang.

“Não só precisamos gerenciar nossas relações bilaterais, mas também precisamos trabalhar juntos para lidar com as questões globais, em particular da Coreia do Norte, que é importante para a comunidade internacional como um todo “, Disse Kono.

Kono também discutiria possíveis arranjos para um encontro trilateral no segundo trimestre em Tóquio entre líderes da China, Coreia do Sul e Japão.

Após as conversas, Kono se encontrou com o primeiro-ministro chinês Li Keqiang e o conselheiro de alto nível de política externa, Yang Jiechi.

A agência oficial de notícias Xinhua citou Yang dizendo que os lados deveriam “deixar de lado as interferências, consolidar e expandir os fatores benéficos e promover o desenvolvimento contínuo e a melhoria das relações entre a China e o Japão”.

A China e o Japão tiveram uma grande ruptura nas relações em 2012, depois de Pequim ter respondido furiosamente à nacionalização do Japão das ilhas desabitadas do Mar da China Oriental que Tóquio controla, mas que a China reivindica.

As relações avançaram para a normalização com a visita de Abe a Pequim em 2014. No entanto, ainda existe uma desconfiança mútua, especialmente por conta das ilhas, conhecidas no Japão como Senkakus e na China como Diaoyus. Taiwan também reivindica as ilhas, referindo-se a elas como Diaoyutai.

No início deste mês, Tóquio expressou preocupação quando um submarino de ataque nuclear chinês foi encontrado operando próximo das águas territoriais do Japão. O submarino surgiu no alto mar com a bandeira chinesa.

A mídia japonesa citou o ministro da Defesa, Itsunori Onodera, dizendo aos repórteres após o incidente que o Japão estava “gravemente preocupado com os atos que aumentam unilateralmente as tensões” e “responderia rapidamente se ocorresse um incidente semelhante”.

Também este mês, três navios da guarda costeira chinesa passaram pelo que o Japão considera suas águas territoriais em torno das ilhas do Mar da China Oriental na terceira invasão deste mês.

Ambos os incidentes foram vistos como tentativas da China para investigar a capacidade do Japão de patrulhar a área e detectar intrusos. Fonte: Associated Press.