JP tira dúvidas de leitores sobre a febre amarela

Para tentar sanar as dúvidas sobre o surto da febre amarela no Estado de São Paulo, o Jornal de Piracicaba deixou espaço aberto em seu Facebook para perguntas da população sobre a doença, vacinação e tratamento. As principais dúvidas foram respondidas pelo infectologista Hamilton Bonilha.
 
 
 
Bruno Cezário — Se eu pegar febre amarela, o que devo fazer? Quais os sintomas? Onde devo ir? Tem algum lugar para tratar?
 
Para saber se você está com a doença, é preciso saber se, nos últimos 15 dias, você foi a uma área endêmica. Os sintomas começam com febre, dor atrás dos olhos, dor no corpo e nas juntas, mas,na maioria dos casos, os sintomas são variados. Em casos mais graves, o indivíduo tem o comprometimento do figado, com olhos e pele amareladas, febre alta, sinais de sangramento. Caso suspeite, deve procurar um médico assim que possível.
 
 
Claudia Martani — Minha filha tem Síndrome de Down e também tem problema na tireoide. Ela pode tomar a vacina?
 
Se sua filha tomou a vacina com menos de cinco anos, em qualquer época da vida, ela tem que tomar uma segunda dose. Se a criança com Down é uma criança sadia, não é porque ela tem hipotiroidismo que estaria contraindicada a vacina.
 
 
Luisa Araujo — Tenho 44 anos, tenho diabetes tipo 1 e faço uso de insulina todos os dias. Tem alguma restrição?
 
Pode, sem contraindicação. A restrição da vacina é para gestantes, crianças com menos de 9 meses de idade, pessoas que fazem uso de quimioterapia, radioterapia, fazem uso de alguma droga imunossupressora que leva a queda da resistência do organismo (imunidade baixa). Mesmo o indivíduo que tem HIV, mas se ele tem a carga viral indetectável e tem sua resistência acima de 350, não tem problema nenhum.
 
 
Jussara Mello — É seguro quem já tomou a vacina há mais de 10 anos, não tomar novamente?
 
É seguro. A OMS (Organização Mundial da Saúde) preconiza dose única da vacina, a não ser em crianças com menos de cinco anos, que precisam tomar o reforço após essa idade. O Brasil é o único país, até então, que se vacinava a cada dez anos. Mas, agora, a recomendação é uma vacina. 
 
 
Miguel Bueno — Quem já foi vacinado no passado, precisa se vacinar novamente? E a vacina fracionada?
 
Uma única dose é suficiente para toda a vida. A vacinação fracionada, ou seja, um quinto da dose total, imuniza a pessoa por oito anos, sendo necessário um reforço após esta data. Não é o caso de Piracicaba, a dose fracionada está sendo feita em mutirão no Estado de São Paulo, nas cidades consideradas de risco para a doença. Quem não pode tomar dose fracionada são crianças com menos de dois anos de idade e também viajantes que vão a países onde a doença é endêmica.
 
 
Helen Reich — Minha irmã tomou a vacina há dez anos. Ainda está valendo? Vamos para o sul de Minas Gerais, área endêmica, porém, estou tomando antibióticos e nunca tomei a vacina. Qual a recomendação?
 
A sua irmã não precisa tomar outra vacina. O uso de antibiótico também não contraindica a vacinação. Se você for viajar, deve tomar a vacina pelo menos com 10 dias de antecedência.
 
Francine Sunhiga — Tem algum caso em Piracicaba?
Não tem. Piracicaba está fora da rota das cidades com risco da doença.
 
JP — Em nossa região existem cidades que tem casos confirmados da febre amarela. Quem está diariamente, indo e voltando destas cidades, deve tomar a vacina?
 
A recomendação é que se tome a vacina. Existem cidades em nossa região que estão na lista de áreas de risco, como Campinas, Atibaia, Itatiba, Amparo e Jundiaí. Quem tem a rotina de ir a estes lugares deve tomar a vacina.