Judô do Brasil celebra ouro de Maria Portela e mais 7 pódios em Grand Slam

O judô do Brasil terminou o Grand Slam de Ecaterimburgo, na Rússia, festejando um desempenho bastante positivo. Depois de no sábado faturar uma prata e um bronze com Érika Miranda e Jéssica Pereira, respectivamente, o País conquistou mais seis medalhas neste domingo, com destaque para o ouro obtido por Maria Portela no peso médio feminino, categoria em que a sua compatriota Barbara Timo ainda ficou com o bronze.

Para completar, a seleção brasileira da modalidade marcou presença no pódio da competição com uma prata de Maria Suelen Altheman e um bronze de Beatriz Souza na categoria peso-pesado, além de mais dois terceiros lugares com Mayra Aguiar e Rafael Silva, o Baby.

“Tivemos um resultado excepcional. Não é sempre que isso acontece de todas as meninas subirem ao pódio. Mas, o judô feminino do Brasil tem evoluído e conquistado seu espaço”, comemorou o técnico da seleção feminina de judô, Mario Tsutsui. “No conjunto tivemos um ótimo desempenho, mas temos que ter os pés no chão porque cada competição é uma história. Temos que continuar trabalhando, nos dedicando até o Mundial deste ano e, depois, já visando 2020 (quando ocorrerá a Olimpíada de Tóquio). Competição aqui na Rússia é sempre muito forte. As meninas se prepararam muito bem nos seus clubes e na seleção”, reforçou.

No final das contas, o Brasil terminou o Grand Slam russo na terceira posição no quadro de medalhas, com um ouro, duas pratas e quatro bronzes, ficando atrás apenas do campeão Japão e dos donos da casa. Entre as mulheres, as sete judocas do País inscritas na competição subiram ao pódio. “Eu gostaria de parabenizar também os técnicos envolvidos com as atletas da seleção, como o Kiko, da Sogipa, e o Douglas Vieira, do Pinheiros, todos esses que trabalham em conjunto conosco. Com isso, a gente espera que o nosso judô possa crescer mais e conquistar ainda mais medalhas para o nosso País”, projetou Tsutsui.

Principal destaque do Brasil na competição realizada em Ecaterimburgo, Maria Portela comemorou um domingo de desempenho perfeito, pois venceu as três lutas que disputou por ippon, o golpe perfeito no judô. Por ser a cabeça de chave número 1 de sua categoria e vice-líder do ranking, ela já abriu campanha direto nas quartas de final e estreou derrotando a britânica Katiejemima Yeatsbrown.

Em seguida, a judoca superou a húngara Szabina Gersack nas semifinais e faturou o ouro na decisão ao imobilizar a russa Taisia Kireeva até obter o ippon, sendo que esta é a segunda vez consecutiva que ela sobe ao topo do pódio em uma etapa do Circuito Mundial da Federação Internacional de Judô. Assim, já acumula nove lutas de invencibilidade.

“Eu estou trabalhando algumas coisas diferentes tecnicamente e taticamente junto com meus colegas de treino. Iniciei um trabalho de coaching com a Nell Salgado, que tem feito muita diferença também, pois tem despertado uma Maria mais tranquila, segura e com mais fé em Deus e no meu treinamento”, afirmou Maria Portela ao explicar os motivos para o seu sucesso nesta temporada.

Na mesma chave de Portela, Barbara Timo conquistou o bronze ao derrotar a japonesa Shiho Tanaka por wazari na disputa do terceiro lugar. Em sua campanha, Timo havia batido a russa Mariia Zolnikova na primeira rodada e caído diante da húngara Szabina Gersack, nas quartas de final, antes de passar pela britânica Yeatsbrown na repescagem.

E essa foi apenas uma das três categorias nas quais o Brasil emplacou duas judocas no pódio na competição russa. Uma delas foi Maria Suelen Altheman, que também estreou direto nas quartas de final e só foi derrotada na decisão do ouro pela bósnia Larisa Ceric. Antes disso, nas semifinais, ela superou por ippon a sua compatriota Beatriz Souza, que ficaria com o bronze ao bater a russa Ksenia Chibisova.

Já a bicampeã mundial Mayra Aguiar ganhou o bronze na categoria até 78kg ao vencer na decisão do terceiro lugar a francesa Stessie Bastareaud. Ela primeiro estreou sendo batida pela japonesa Rika Takayama, mas se recuperou na repescagem contra a casaque Albina Almangeldiyeva e depois faturou o lugar no pódio.

Entre os homens, Rafael Silva, da categoria pesado (mais de 100kg), ganhou a única medalha masculina do País na competição. Ele iniciou bem a sua campanha ao passar pelo bósnio Harun Sadikovic e depois pelo russo Anton Brachev, mas acabou sendo derrotado pelo holandês Henk Grol na semifinal. Em seguida, ele garantiu o bronze ao levar a melhor sobre mais um judoca da casa: Ruslam Shakhbazov.

Após o bom desempenho no tatame russo, a seleção brasileira competirá novamente no Circuito Mundial nos dias 30 de março e 1º de abril, no Grand Prix de Tbilisi, na Geórgia. Na sequência, a equipe nacional estará presente no Grand Prix de Antalya, na Turquia, entre 6 e 8 de abril.