Lavanderias cada vez mais compactas

Foto: Divulgação

Com ambientes cada vez mais compactos, principalmente nos apartamentos, pouquíssimo espaço sobra para a lavanderia, cômodo importante, já que se gasta ali um bom tempo para manter as roupas da família limpas.

Nos últimos anos, arquitetos e decoradores têm aproveitado melhor o lugar destinado à área de serviço – mesmo quando esse espaço nem existe realmente.

As arquitetas Mayara Clá e Natasha Haddad também seguem a tendência, que se tornou necessidade dos clientes. Em um dos apartamentos que decoraram, com apenas 43 m², nos quais todos os ambientes, exceto o banheiro, são integrados, a ideia foi aproveitar um espaço nos armários da pequena cozinha para inserir uma máquina de lavar.

“A integração dos ambientes foi fundamental para o studio ficar amplo e confortável”, afirmam.

Em outro apartamento, a ideia das arquitetas foi levar a lavanderia para outro cômodo: o banheiro. “É um apartamento moderno e clean. Os ambientes são abertos e o único lugar mais reservado é o banheiro, compartilhado com a lavanderia, os outros são todos abertos e interagem entre si”. 

ESPAÇO SOBRANDO

Se o projeto do apartamento se preocupou em reservar um ambiente apenas para a lavanderia, é hora de aproveitar muito bem esse privilégio.

As designers de interiores Gabriela Dutra e Vanessa Buonomo projetaram uma área de serviço perfeita para esse perfil. Apresentado na exposição CASACOR Santa Catarina 2018, o espaço não é grande, mas muito bem aproveitado. Um amplo armário embutido e prateleiras instaladas com luzes em LED são a combinação perfeita entre estética e utilidade.

Estátuas de cães sinalizam ainda gavetas nas quais ficam instalados comedouros para pets. Para alimentar o bichinho basta puxar a gaveta e colocar a ração. Quando ele acabar de comer, a gaveta pode ser fechada novamente, otimizando o espaço e evitando que os ‘pratinhos’ fiquem espalhados pelo chão.

Outra preocupação das designers ao montar o projeto foi a sustentabilidade, tão importante em momentos nos quais o mundo enfrenta mudanças climáticas devastadoras. “Gabriela e Vanessa buscaram gerar o mínimo possível de entulho, aproveitando o forro de madeira existente, bem como os elementos vazados que foram preservados, restaurados e repaginados. Outros tipos de resíduos prejudiciais foram evitados, a tinta branca usada no ambiente era à base de água”, explica a assessoria do evento.

Até mesmo os eletrodomésticos foram pensados para gerar o mínimo possível de impacto. Tanto cuidado assim resultou em um ambiente belo, muito bem decorado, ecologicamente correto e que atesta ser possível aproveitar qualquer espaço de forma útil e precisa.

Mariana Requena