Levy: BNDES precisa mudar para responder às novas condições do país

Levy: BNDES precisa mudar para responder às novas condições do país
Fonte: Agência Brasil

Ao tomar posse hoje (7) na presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy afirmou que a instituição precisa continuar se transformando para responder às novas condições do país, às expectativas da nação e às promessas do governo.

O futuro presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) no governo Jair Bolsonaro, Joaquim Levy, participa do encerramento do seminário Diálogos para o Amanhã.

O novo presidente do BNDES, Joaquim Levy – Fernando Frazão/Arquivo/Agência Brasil

“Estamos na antessala de um novo ciclo de investimentos em uma economia que será mais aberta, mais vibrante, com mais espaço para o setor privado e para os mercados de capital. O papel do BNDES é contribuir nesse ambiente desenvolvendo novas ferramentas, novas formas de trabalhar, próximos e em parceria com o mercado”, disse.

Segundo Levy, o BNDES vai combater o patrimonialismo e as distorções já verificadas. “Isso tem que mudar e continuar mudando, evitando o voluntarismo. A ferramenta para isso tem que ser a ética, a transparência, a responsabilidade e a responsabilização”, acrescentou.

O novo dirigente do banco de fomento disse que sua gestão vai continuar ajustando o balanço da instituição. “O nosso balanço hoje depende em uma proporção talvez exagerada, certamente menos exagerada do que há quatro anos, mas ainda provavelmente exagerada, de recursos do Tesouro, e que tem que ser adequado para que se tenha adequado retorno do capital que é de cada um da população”.

Levy tomou posse no Palácio do Planalto, em cerimônia comandada pelo presidente Jair Bolsonaro, com a presença do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Na mesma cerimônia, tomaram posse os novos presidentes do Banco do Brasil, Rubem Novaes; e da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães.

Levy

Com experiência na administração pública, Levy foi ministro da Fazenda de janeiro a dezembro de 2015, no segundo mandato de Dilma Rousseff, com a promessa de realizar um ajuste fiscal para conter os gastos públicos.

Engenheiro naval de formação, Levy tem doutorado em economia da Universidade de Chicago (Estados Unidos), na qual também estudou Paulo Guedes. Joaquim Levy foi ainda secretário do Tesouro Nacional entre 2003 e 2006, durante o primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva.

Antes, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, foi secretário adjunto da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, no ano 2000.

De 2010 e 2014, Levy foi diretor do Banco Bradesco. Para assumir a presidência do BNDES, Levy deixou a Diretoria Financeira do Banco Mundial.

Levy: BNDES precisa mudar para responder às novas condições do país