Linda em todos os tamanhos!

Com maioria da população brasileira acima do peso, moda plus size vira tendência nas academias (divulgação)

Imagine um mundo onde não existem roupas bonitas e que se encaixam no padrão do corpo do consumidor. Essa realidade acontece com a maioria dos brasileiros. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) cerca de 56% da população está acima do peso e tem dificuldades em encontrar roupas que se encaixem com o tamanho certo do corpo e a empreendedora Amanda Momente, após engravidar e chegar aos 140kg sentiu na ‘pele’ essa dura realidade.

Com essa frustração de roupas pequenas, desconfortáveis, principalmente na hora de fazer exercícios, além de somente ter cores escuras na tentativa de darem o aspecto magro à mulher, Amanda decidiu criar suas próprias roupas, com a ajuda de uma costureira para ir à acadêmia.
Desfilando seus próprios modelos e com elogios e comentários de amigos, a demanda aumentou e assim procurou ajuda da designer feminista Marioli Oliveira – que sempre quis impactar de forma real na sociedade – para criar a empresa, hoje conhecida como Wonder Size, focada em um público com tamanhos grandes, em um estilo de cores animadas e um bom rendimento nos exercícios.

“É muito importante que as mulheres tenham essa sensação de pertencimento dentro de uma loja de esportes, essa inclusão é fundamental para a quebra de preconceitos.”, completa Amanda.
Roupas que tenham um tecido maleável e fresco – no qual a pele consiga respirar – são fundamentais para praticar esportes sem desgastar em excesso.

O uso de shorts mais cumpridos e leggings são recomendados para mulheres de coxas grossas, assim evitando o atrito de pele que gera assaduras. Já utilizar tops são essenciais em mulheres de bustos médios e avantajados, pois exercícios que requerem movimentos do quadril acima podem causar dores nos ombros devido ao peso dos seios.

A empresa que participa desta inclusão é a Centauro, que recebe as roupas da empresa Wonder Size e coleção exclusiva da Ju Romano, precursora do movimento Body Positive, em que busca ressaltar a beleza natural da mulher ao sair dos padrões de beleza de pré-estabelicidos pela sociedade.

Com numerações que vão do 44 ao 66, as peças têm nomes que fazem referência a mulheres importantes da história, tal como Joana D’Arc e Mary Phelps. Itens como a calça legging Joana Dark, que não enrola na barriga e não fica transparente, o top Phelps com sustentação reforçada, além de outras peças feitas em tecido com proteção UV e biodegradável. A jaqueta corta vento da Ju Romano, mostra ser a queridinha da coleção.

 

Larissa Anunciato
[email protected]