Madalena é vítima de injúria racial em postagem na rede social

Madalena Ofensas foram printadas e servirão de provas. (Foto: Divulgação)

A ex-vereadora e candidata a deputada estadual pelo Podemos, Madalena Leite, foi alvo de injúria racial pela rede social Facebook. No último dia 15, um internauta atribuiu a ela o adjetivo de “macaca” em um post na página do Facebook do seu assessor Paulo Soares, que disse ter sido ofendido pela mesma pessoa, por mensagem escrita e por áudio. A candidata e seu assessor disseram que vão procurar hoje a polícia para registrar queixa contra o autor da postagem.que traz a foto de um chimpanzé no perfil, provavelmente falso.

Madalena disse que ficou profundamente chateada com a ofensa. “ Fico muito triste com tudo isso e o preconceito tem de acabar”, afirmou. Enquanto vereadora, ela disse que também sofria o mesmo tipo de ofensa.e lamenta que, até o momento, o responsável não foi punido. “A primeira vez a gente fez o B.O (boletim de ocorrência), foi para o Fórum e o que aconteceu? Não aconteceu nada. Se fosse uma pessoa rica, aí aconteceria alguma coisa. Agora quando se é pobre, homossexual e preta, você sabe que não acontece nada, então a gente fica sentido”, reclamou.

O advogado e presidente da Comissão de Assistência Judiciária de Piracicaba, Marcelo Luiz Borrasca Felisberto, disse que o autor de mensagens ofensivas em redes sociais incorre nos crimes de calúnia, difamação e injúria, considerados crimes contra honra. Segundo ele, o artigo 140 do código penal prevê pena que varia de um a três anos de prisão. O fato de a ofensa ter sido feita em rede social, a pena pode ser acrescida a critério do juiz, devido o fato de as redes sociais aumentarem a difusão.

O advogado alertou que a responsabilidade pelo crime é tanto para o autor da mensagem como para quem a compartilha. Barrosca explicou que a vítima inicialmente deve procurar a polícia para fazer a representação e, se houver interesse, ingressar com uma ação por danos morais, inclusive contra quem compartilhou a mensagem ofensiva. “ Chamar alguém de macaca é atribuir uma qualidade negativa”, destacou o advogado.

CADEIA — O assessor da candidata, Paulo Soares, disse que entrou em contato com o autor da mensagem, pelo canal de mensagens do Facebook. Segundo ele, o homem também o chamou de “macaco” e fez a ofensa por escrito e por áudio. O internauta, segundo Soares, chegou a abrir a câmera e mostrar os cômodos da residência onde estava. Ao ser alertado da denúncia, ele disse que não seria encontrado por que estaria em uma cadeia. Após mensagem à candidata, outros internautas repudiaram a atitude e mesmo assim o responsável manteve o post. Madalena disse que não registrou a ocorrência ontem, porque não estava se sentindo bem.

(Beto Silva)