Mães temem queda de árvore sobre escola municipal infantil

Árvore está em um terreno ao lado da creche e preocupa um grupo de mães (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Uma árvore com aproximadamente 12 metros de altura está preocupando pais de alunos que estudam na Escola Municipal Alceu Marozzi Righetto, que atende crianças de 4 meses até 6 anos de idade. A prefeitura não informou o número de crianças matriculadas na unidade, que fica no bairro Glebas Califórnia. A árvore está em um terreno ao lado da creche e a preocupação de um grupo de mães é que, em caso de temporal, ela caia sobre os alunos, atingindo as salas de aulas do berçário e do Jardim 3. “A árvore está podre e ela é grossa. O parquinho das crianças fica bem embaixo dessa árvore”, ressalta Camila Cassieri, 39, professora, que tem um filho de 5 anos na escola.

Muitos pais dizem que já ligaram na prefeitura, pedindo explicações ou alguma solução, mas a resposta é sempre a mesma: “precisamos emitir um chamado para verificar”. Diante do impasse, algumas mães começaram a alertar as demais, em um grupo de WhatsApp, para o perigo da queda de uma árvore sobre a unidade escolar, se o problema não for solucionado. “A árvore está para cair a qualquer momento. Como ela está no terreno que pertence a um condomínio, fica um jogo de empurra: a prefeitura fala que a responsabilidade é do condomínio, o condomínio fala que é da prefeitura”, relata a artesã Melissa Mesquita Zenatti, 35, mãe de um aluno de 4 anos de idade.

As mães afirmam que as reclamações iniciaram em novembro, quando começaram as chuvas mais fortes. Melissa chegou a abrir protocolo – nº 2019/25322 – pelo 156. “Liguei na prefeitura e me disseram que um técnico da Sedema já foi ao local e colocou essa árvore em grupo de prioridades. Nós queremos apenas evitar uma possível tragédia”, destaca.

 

PREFEITURA

A assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Educação afirma que árvore fica em um terreno do lado de fora da escola e que a Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente) informou que enviará um técnico ao local para verificar a situação e, se necessário, “ela será removida”.

(Eliana Teixeira)