Mato alto em calçadas de bairros diferentes dificulta a passagem

Na rua Vitório Zagatto, na Vila Cristina, mato obriga pedestres a caminhar pela rua (Crédito: Claudinho Coradini)

Mato alto, animais peçonhentos, não são exclusividades de terrenos não cuidados pelos seus proprietários ou de áreas verdes, de responsabilidade da prefeitura. A reportagem do Jornal de Piracicaba constatou, na sexta-feira (11), que há calçadas em diferentes bairros – Vila Cristina, Jaraguá, Vila Industrial, Jardim Noiva da Colina – de Piracicaba e também no Centro com mato alto, tornando impossível transeuntes caminhar pelo passeio público. Na região central, a reportagem constatou que a calçada da rua 13 de Maio, entre a rua Luiz de Queiroz e a avenida Beira Rio, o mato alto atrapalha a passagem de pedestres. Na rua Voluntários de Piracicaba, entre as ruas do Rosário e Alferes José Caetano, ao lado da Escola Moraes Barros, a altura do mato permite que pedestres passem no local, porém pode ser escorregadio em dias de chuvas.

Fora da área central, bairros distintos apresentam passeios públicos, em alguns casos, com mato que ultrapassa um metro de altura. Essa é a realidade em frente a casa de Laudézia Fassoli Livato, que reside na rua Vitório Zagatto, na Vila Cristina. A dona de casa solicitou limpeza de um terreno ao lado da casa dela, cujo mato ultrapassa o mura da residência, em outubro do ano passado. “Pedi para limpar do terreno, porque até escorpiões já encontramos. Disseram que iriam limpar dentro de 15 dias e até agora nada O mato da calçada da frente de casa ainda não pedi”, conta.

Em um trecho bastante movimentado, com veículos que trafegam nos sentidos de direção, na avenida Brasília, próximo à rua Arthur Azevedo Ribeiro, na Vila Industrial, o mato impede a passagem pela calçada. Do outro lado da cidade, o mato também está bastante alto, na rua Lázaro Gomes da Cruz, próximo ao nº 24, no ponto de ônibus na esquina com a rua Joaquim Servolo, no Jardim Noiva da Colina. No Jaraguá, além da pracinha, que fica na avenida Abel Pereira, estar com mato alto, brinquedos de madeira estão desgastados e sem manutenção.

Mato também está alto na avenida Brasília, na Vila Industrial (Crédito: Claudinho Coradini)

PREFEITURA

Em relação à reclamação da moradora Laudézia Livato, que protocolou a solicitação nº 161732 no 156, a prefeitura ressaltou que a fiscalização da Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente) foi até o local, após a solicitação pelo 156.
Em nota, a assessoria de imprensa destaca que “o dono do terreno foi autuado uma vez porque não limpou. Agora, a Sedema vai enviar mais uma vez um fiscal e, se constatado que o proprietário ainda não realizou a limpeza, ele será multado como reincidente, ou seja, pagará o valor dobrado da multa, que é de R$ 2,01 o metro quadrado. Se ele não fizer a limpeza, a Prefeitura faz e cobra dele”.

Sobre a praça da avenida Abel Pereira, no Jaraguá, segundo a assessoria, a Sedema fará a vistoria dos brinquedos e programará a manutenção e o corte de mato. Em relação à limpeza e estrutura de calçadas, a prefeitura enfatiza que a responsabilidade é do proprietário, no caso das particulares. A fiscalização é feita pela Prefeitura, por técnicos da Semob (Secretaria Municipal de Obras) e também por meio de denúncias.

A partir de uma solicitação via 156, o fiscal vai até o local e após analisar o caso. Se comprovada a irregularidade, notifica o proprietário, que tem 90 dias para atender a notificação. A Prefeitura disponibiliza, por meio do programa Calçadas para Todos, um manual e folheto explicativo para execução e conservação de calçadas para que todos possam trafegar em segurança, que está no site: www.piracicaba.sp.gov.br.

(Eliana Teixeira)