Missa marcará os 25 anos da Paróquia São Lucas,na Vila Sônia

A Paróquia São Lucas completa 25 anos de instalação nesta quarta-feira (14). Em comemoração ao jubileu de prata, será realizada uma missa, celebrada pelo padre Arlon Niquison Beltrão da Silva, nesta terça-feira (13), na matriz (rua Francisco Gorga, 30, Vila Sônia), às 9h30.
 
O atual pároco Arlon Niquison Beltrão da Silva, 35, que entrou em janeiro na paróquia, disse que participação e união são palavras que definem a comunidade. “É uma paróquia muito jovem, forte e que realiza muita partilha. Esperamos um grande número de fiéis e que cheguem a lotar a igreja”, ressaltou Arlon.
 
A história da paróquia começa em meados dos anos 70, ainda quando os moradores da Vila Sônia se reuniam durante a semana para fazer círculos bíblicos. Em meio a essas reuniões, o então padre da paróquia Santa Teresinha, Luiz Carlos Zotarelli, ia celebrar as missas nas casas cedidas por essas pessoas. Com o passar do tempo, os fiéis foram aumentando e foi necessário a construção de um barracão, o Centro Comunitário, formando a comunidade da Vila Sônia.
 
Os moradores começaram então a se juntar pra levantar fundos para a paróquia, com a realização de quermesses e bingos. Assim, um terreno foi comprado para receber atividades, como apresentações dos corais, liturgias e missas da comunidade. Somente em 14 de fevereiro de 1993, em uma missa presidida por Dom Eduardo Koiak, a paróquia foi batizada de São Lucas, e enfim, desmembrada de Santa Teresinha.
 
 
 
CRESCIMENTO—Luiz Sérgio Crisfoletti, 59, é um desses moradores que acompanhou todo o crescimento da paróquia. Crisfoletti começou na Paróquia São Pedro como catequista junto à sua mulher, Maria Aparecida, “Estou na Paróquia há 34 anos, vi todo o crescimento e esforço de todos para sua criação”.
 
Há pouco mais de quatro anos, Crisfoletti se tornou diácono da paróquia e auxilia nas pastorais de batismo. “Nós chegamos a 25 anos com muita dedicação. É como se comemorássemos uma data de casamento. Nessa missa, vamos demonstrar tudo aquilo que construímos juntos, estamos muito felizes”, afirmou o diácono.
 
A música foi o que fez Luciana Aparecida Trevisan, 36, entrar na paróquia “Eu fazia parte da Paróquia Santa Teresinha, desde muito pequena meus pais me levavam lá”. Há 10 anos no ministério litúrgico e da música, Luciana conta o que para ela se resume esses 25 anos. “Doação e dedicação. É emocionante ver a paróquia crescendo, a família toda crescendo junto e, ainda, ver os que iniciaram junto com a paróquia permanecer nela. Estamos muito orgulhosos”, contou Luciana.
 
 
PADRES—Ao todo, já passaram cinco padres pela paróquia: Luiz Carlos Zotarelli (1994), Engênio Broggio Neto (1995), Victório Tomasi (1996 a 2006), Ricardo Martins (2006 a 2016) e José Jorge Teodoro (2016 a 2018). Atualmente, a paróquia é a matriz de cinco capelas, sendo elas: Capela Nossa Senhora de Guadalupe (Parque Orlanda), Capela São Vicente de Paulo (Boa Esperança), Capela Nossa Senhora Auxiliadora (Javari II), Comunidade Nossa Senhora do Carmo (Monte Rey) e a Comunidade Frei Galvão (São Luiz).