Moradores de 12 bairros reclamam dos ônibus coletivos

Após o JP publicar reportagem mostrando as dificuldades que os moradores do bairro Verde enfrentam com as alterações nas linhas do transporte público, habitantes de outros 12 bairros reclamaram da deficiência na prestação do serviço ofertado pela prefeitura, por meio da empresa terceirizada Via Ágil. Pelo Facebook, as reclamações dos usuários abrangeram os bairros Nova América, Jaraguá, Nho Quim, Jardim São Luís, Algodoal, Jardim Esplanada, Mário Dedini, Minas Nova, Pauliceia, Perdizes, Jupiá e Noiva da Colina.
 
Ana Gabriela Toledo, moradora do Nho Quim, enfatizou que o novo horário de ônibus “ficou horrível”, principalmente nos fins de semana. “De domingo o mesmo ônibus corre em duas linhas, a do Nho Quim e a do Algodoal. Esta alteração aumentou nossa espera para mais de duas horas e meia. É um desrespeito com o cidadão. No mínimo deveria ser um ônibus para cada linha”, disse.
 
Para Fernando Claudino, morador do Mário Dedini, a empresa Via Ágil “deve ir embora da cidade” devido às alterações. “Tiraram o ônibus das 23h15 do Mário Dedini. Agora só tem um ônibus (23h45). Saio do trabalho e não consigo pegar o ônibus das 22h45. Aí, tenho de pegar um só, às 23h45. Antes não acontecia esta espera”, reclamou. Morador do mesmo bairro, Albino Campos, reforçou a crítica: “a mesma coisa acontece com as linhas 315 (Jaraguá) e 316 (Jardim Esplanada) no fim de semana. Não fazem trajeto dentro do bairro Paulista. Acho que eles pensam que os moradores não usam o ônibus aos sábados e domingos”.
 
Outro ponto que tem gerado reclamações é a higiene nos terminais, principalmente no Piracicamirim e Paulicéia. “Além da falta de linhas para o Santa Fé 3, os banheiros dos terminais, nos últimos dias, estão impossíveis de entrar e usar devido ao mau cheiro, prefiro não usar”, afirmou o operador de empilhadeira de 24 anos, Patrick das Neves. Já o metalúrgico Antônio Borges Moura, 56, alega que o problema já acontece há mais de um mês. “Falta limpeza em tudo, não é só no banheiro. As lixeiras estão sempre cheias, o chão dificilmente é varrido.”
 
De acordo com a prefeitura, nos últimos anos, houve uma redução gradativa de passageiros do transporte coletivo, por isso a Semuttran teve “por obrigação contratual” adequar a oferta de viagens com a demanda de passageiros. “Esta redução não é uma situação única de nossa cidade. A medida adotada por muitos municípios também é a readequação de viagens. Após análise técnica, os ajustes operacionais ocorrem de diferentes maneiras. Dependendo da situação e região ocorrerá o novo projeto”, informou. E informou que a limpeza nos terminais é feita diariamente e que “será normalizada com o ingresso de novos funcionários de limpeza até no início do próximo mês”.