Morre Coutinho, piracicabano que brilhou ao lado de Pelé

Antônio Wilson Vieira Honório, Coutinho Piracicabano Antônio Wilson Vieira Honório, o Coutinho, morreu aos 75 anos de idade (Foto: Pedro Ernesto Guerra Azevedo/ Santos FC)

Campeão do mundo com a seleção brasileira em 1962, na Copa do Chile, e terceiro maior artilheiro do Santos, com 368 gols em 457 partidas, o piracicabano Antônio Wilson Vieira Honório, o Coutinho, morreu nesta segunda-feira (11), aos 75 anos de idade, em Santos. Além de conquistas e números, Coutinho foi considerado o maior parceiro do Rei do Futebol. Com Pelé, formou um ataque que ganhou 19 títulos pelo Peixe.

Coutinho enfrentava problemas de saúde e tinha diabetes, o que levou à amputação de três dedos do pé esquerdo. No início de 2019, o ex-jogador foi internado em Santos com um quadro de pneumonia. “Coutinho formou com Pelé a mais espetacular dupla do futebol em todos os tempos. Esqueçam qualquer comparação. Ele foi o maior gênio da área”, publicou o jornalista Milton Neves, dono de um arquivo sobre o bicampeão mundial de clubes e da Copa Libertadores pelo time da Baixada.

Filho de Antônia e Waldemar Honório, Coutinho nasceu no dia 11 de junho de 1943 e viveu até a adolescência na rua Silva Jardim. Apesar de morar a poucos metros do Estádio Municipal Barão da Serra Negra, que foi inaugurado em 1965 e hoje é a casa do XV de Piracicaba, o ex-jogador fez carreira no Santos. Após se destacar em um treino coletivo, aos 13 anos, ele deixou o Nhô Quim e foi para o Peixe formar uma das linhas mais famosas da história do futebol mundial: Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe. Antes de completar 16 anos, o piracicabano já havia feito sua estreia pela seleção brasileira.

Apesar de escrever sua história do litoral paulista para o mundo, Coutinho mantinha raízes em Piracicaba. Em setembro de 2016, ele recebeu o título de ‘Piracicabanus Praeclarus’, mais alta honraria concedida pela Câmara de Vereadores a pessoas nascidas na cidade. Emocionado, o ex-atleta foi bastante aplaudido por admiradores e pessoas ligadas ao esporte. “É uma satisfação muito grande receber essa homenagem. Agradeço de coração a todos os piracicabanos que me ajudaram a alcançar meu objetivo, que era jogar futebol”, disse na época.

*Com informações de Ricardo Vasques/Câmara de Vereadores de Piracicaba