Morre malinois Aruk, estrela do Canil da PM

Foram oito anos de grandes apreensões de droga, localização de suspeitos em matagais e apoios prestados às polícias federal e rodoviária, mas era nas apresentações de adestramento que ele sempre arrasava, principalmente com as crianças. Um agravamento de problemas respiratórios abreviou a vida do pastor belga de malinois, Aruk, do Canil Setorial do 10º BPM/I (Batalhão da Polícia Militar do Interior). O cão apresentou um mal-estar desde a última terça-feira (3), estava recebendo acompanhamento veterinário e cuidados especiais da equipe do Canil, principalmente de seu condutor, o cabo da Polícia Militar Youssef Tannous Tanche Junior, que mesmo em seu horário de folga ia até o canil para dar medicação na seringa durante os últimos dias de seu “fiel companheiro de trabalho”. Era para a casa de Youssef que Aruk estava sendo preparado para desfrutar seus anos de aposentadoria, mas infelizmente não deu tempo.
 
Considerado como o cão mais completo do Canil Setorial do 10º BPM/I, devido ao seu temperamento equilibrado, Aruk foi preparado para atender quaisquer situações. O comandante da Companhia de Força Tática e Canil, capitão Antonio Carlos Rugero Filho, disse que a morte de Aruk foi uma triste surpresa para a equipe. “Na terça ele não se sentiu bem, foi levado ao veterinário para exames, estava respondendo bem, mas acabou falecendo. Foi uma triste notícia, principalmente porque estava se aposentando”, comentou Rugero.
 
Segundo a PM, a previsão é que o enterro ocorra na sexta-feira (13), no Cemitério do Animais de Piracicaba, mas os policiais aguardam liberação do Canil Central da PM em São Paulo, onde o corpo do cachorro foi levado para a realização de necrópsia para confirmar a causa da morte.
 
“Foi meu primeiro cão. Minha esposa já estava esperando-o lá em casa. Foi uma tristeza muito grande para todos nós. Esperávamos ainda alguns anos dele pela frente. Como o Dragon, que também se aposentou, e hoje deve ter uns dez anos”, comentou Youssef. Se comparado à vida humana, Aruk teria o equivalente a 75 anos.
 
O último e um dos primeiros condutores de Aruk segurou a emoção para falar de seu companheiro. “No domingo, estava de folga, mas vim dar a alimentação dele, saí daqui umas 11h30, quando foi às 14h, me ligaram. Quando cheguei no Canil me disseram para não ir ao box, onde ele estava, mas fui. Estivemos juntos em vários momentos felizes e, agora, não seria diferente”, desabafou Youssef. “Quero que ele seja lembrado como o herói como sempre foi. Apesar de não estar mais no patrulhamento, pois estava sendo preparado para a aposentadoria, ele nos deixou ainda na ativa. Para muitos, pode ser apenas um cachorro, mas para mim era diferente. Foi meu grande companheiro e me defendeu várias vezes.”
 
O cabo irá conduzir de agora em diante, a malinois Danka, mas afirmou que o lugar de Aruk ficará para sempre em sua mente e em seu coração.
 
A parceria entre Aruk e cabo Youssef começou em novembro de 2011 e, de lá pra cá, eles não se separaram mais. Até durante as férias, o cabo fazia questão de cuidar de seu companheiro.