Morre o jornalista Ronaldo Victoria aos 61 anos

Foto: Divulgação

O jornalista piracicabano Ronaldo Victoria morreu na tarde de ontem, aos 61 anos. Ele estava internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa de Piracicaba há uma semana depois de complicações durante cirurgia de diverticulite.

Ronaldo atuou em jornais e revistas da Capital e de Piracicaba. No Jornal de Piracicaba, durante anos ele foi o responsável pelas entrevistas da coluna Persona. Conhecido e querido por seu humor inteligente e personalidade extrovertida, a notícia de sua morte deixou os colegas e amigos perplexos.

Antes de seguir no jornalismo, Ronaldo chegou a cursar medicina na PUC-Campinas por alguns meses. Sua carreira, mostrou que fizera a escolha certa. A amiga jornalista Cristiane Sanches lembra de quando ele trabalhava no Diário Popular, em São Paulo. “Ele era o repórter preferido da cantora Maria Bethânia”, conta.

Em outra ocasião, quando Cristiane o acompanhou em uma entrevista a Eva Wilma, a amiga lembra da admiração da atriz pelo repórter. “Ela ficou fascinada pelo conhecimento que ele tinha de televisão e cinema”, lembra.

A competência do repórter também se estendia à escrita. A jornalista Ude Valentini trabalhou com Ronaldo no JP. “Fomos colegas de profissão e amigos na vida. Além de excepcional inteligência, Ronaldo tinha um humor ácido, delicioso. Ele era atento ao mundo, sempre marcou posição, super-antenado e escrevia com tanta facilidade, com leveza e clareza, que era um grande prazer ler suas matérias. O sentimento agora é realmente de muita tristeza”, afirma.

Cristiane Sanches também elogia os textos do amigo. “Ronaldo Victoria era um dos meus ídolos do jornalismo quando eu ainda estava na faculdade. Seu texto elegante, suas entrevistas criativas eram incríveis”, relata. “Trabalhamos juntos por quase dez anos, cindo deles na redação do JP. Era inteligente culto, bem-humorado generoso com os colegas e de um talento imensurável. Muitas vezes chorei ao ler alguns de seus textos. Não há muitos como ele por aí”, conta.

Nas redes sociais, amigos e familiares se referiram a jornalista. “Seu legado permanecerá entre todos os profissionais, principalmente entre nós que tivemos o privilégio de conviver com você. Seu humor e a sabedoria de suas opiniões, sempre foi um ponto fora da curva nesse mundo de gente tão cafona e quadrada”, postou Francine Cegantini.

O velório de Ronaldo acontece na sala 2 do Cemitério da Saudade, o corpo sai às 16h para o crematório local.

Beto Silva
beto.silva@jpjornal.com.br