Movimento contra os pedágios

 

 Os impostos pagos pelo contribuinte já são suficientes para esta manutenção. Chega de encher os bolsos das concessionárias.

Em plena época de campanha eleitoral, inclusive ao governo do Estado, a Artesp (Agência de Transportes do Estado) anunciou que fará estudos para a concessão das rodovias SP-304, que recebe o nome de Geraldo de Barros, no trecho entre Piracicaba e São Pedro, e Luiz de Queiroz, entre Piracicaba e Americana, além da Hermínio Petrin, a SP-308. Faltou feeling à agência, que foi discutir esse assunto justamente agora, em plena época de campanha eleitoral.

Mesmo porque, a agência nega de pé a possibilidade de construção de praças de pedágio, mas, o brasileiro já está tão escaldado que tem certeza sobre a construção de tais estruturas. Este não é o momento adequado. Mesmo porque, o país vivencia uma crise econômica e política sem precedentes, e o brasileiro começa a se ligar nas eleições, por causa do início da propaganda eleitoral gratuita.

O brasileiro está até mesmo anestesiado com tanta bandalheira e com essa lama de corrupção que tomou conta do meio político. Mas, felizmente, os moradores de Piracicaba e região começam a despertar para a realidade. As Câmaras de Piracicaba e São Pedro anunciaram ontem que vão iniciar as discussões para tentar barrar a construção de praças de pedágio na região. Além disso, o grupo Amigos da SP-304 também publicou em sua página oficial no Facebook que começará a fazer panfletagem contra a privatização e a cobrança de pedágios na região.

Movimentos semelhantes já ocorreram na região do Aglomerado Urbano de Piracicaba e também na Região Metropolitana de Campinas por ocasiões da instalação de pedágios em rodovias que cortam os municípios. Infelizmente, o governo estadual fez igual o desenho dos macacos: não ouve, não cê e não fala. E os apelos da sociedade nem foram considerados nos municípios com praças. Pelo contrário, os valores castigam os motoristas dessas rodovias pedagiadas.

A menos de 40 dias das eleições, muitos candidatos começam a invadir Piracicaba e região em busca de votos para garantir suas eleições. Este é um excelente momento para os candidatos se posicionarem a respeito do assunto. Aliás, a população pode muito bem prensar os políticos contra a parede e exigir um posicionamento deles sobre se são favoráveis ou contrário à privatização das rodovias. E, claro, guardar muito bem o áudio, o vídeo ou a notícia nos jornais para cobrarem uma atitude deles, se forem eleitos.

O fato é que o brasileiro está fazendo malabarismos para sobreviver diante de um cenário de crise tão grave. E não aguenta mais pagar impostos. A instalação de pedágios na região pode encarecer o custo dos produtos, reduzir o frete pago aos caminhoneiros, e encarecer o custo de vida, de uma forma em geral. Esperamos que o movimento contrário tenha sucesso. Principalmente depois que as rodovias alvo dos estudos estão sendo inteiramente recapeadas. Não há necessidade de privatizá-las. Os impostos pagos pelo contribuinte já são suficientes para esta manutenção. Chega de encher os bolsos das concessionárias.

(Claudete Campos)