MPRJ vai priorizar apuração de homicídios de crianças e adolescentes

MPRJ vai priorizar apuração de homicídios de crianças e adolescentes
Fonte: Agência Brasil

Os procedimentos relativos à apuração e à responsabilização de crimes que resultem na morte de crianças e adolescentes deverão ter prioridade no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ). É o que estabelece uma nova resolução interna que foi assinada nesta tarde (21) durante um encontro com representantes do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

De acordo com as novas regras, que têm efeito imediato, os autos destes procedimentos deverão trazer na capa uma etiqueta identificando a prioridade. A resolução foi assinada pelo procurador-geral de Justiça do MPRJ, Ricardo Ribeiro Martins, e pela corregedora-geral em exercício da instituição, Ana Cíntia Serour.

“O que muda é que todos os procedimentos que envolvam crimes que tenham uma criança ou um adolescente como vítima deverão ter um tratamento prioritário. Isso significa furar a fila “, explicou Ricardo Ribeiro Martins, que ocupa interinamente a função de procurador-geral de Justiça.

Segundo Martins, os inquéritos relacionados a homicídios de crianças e adolescentes chegam junto a outras centenas. A análise de praxe é feita por ordem de chegada, embora muitos desses casos já recebessem prioridade conforme a sensibilidade de cada promotor e procurador. Com a resolução, porém, isso passa a ser obrigatório. O próprio Sistema MGP, utilizado pelos promotores e procuradores, já estabelecerá a prioridade.

O procurador-geral avalia que uma maior efetividade e velocidade na investigação e no trâmite do processo pode gerar um efeito preventivo. “Uma das formas de inibir o crime é dar a certeza da punição. A impunidade é um alimentador do crime”. Ele reconheceu, porém, que a medida não garante a solução de todos os casos. “Se vai descobrir a autoria do homicídio ou não, vai depender do caso concreto. Mas a nossa atuação será sempre prioritária.”

A resolução foi assinada um dia após o Dia Mundial da Criança, celebrado anualmente pela Unicef na data de 20 de novembro. Dados do fundo apontam que em 2016 foram registrados 1.277 homicídios de meninos e meninas, entre 10 e 19 anos, no estado do Rio de Janeiro. Luciana Phebo, coordenadora do escritório da Unicef no Rio, avalia que a adoção da medida é uma boa notícia para as famílias das vítimas.

“A dor de perder um filho é enorme e essa dor se intensifica quando nada é feito, quando essas mortes se tornam invisíveis. As famílias também são assassinadas de alguma forma. Elas morrem de tristeza. São muitas questões de saúde mental, há uma desestruturação familiar, mães e pais param de viver. Responsabilizar o criminoso é também uma forma de acolhê-los”.

No encontro com o procurador-geral de Justiça, estiveram presentes adolescentes de diferentes comunidades do Rio de Janeiro que participam das ações da Unicef, além de estagiários do MPRJ. Os jovens trabalhadores cobraram maior integração à instituição.

Laís dos Santos, de 19 anos, defendeu que sejam oferecidas experiências que permitam um aprendizado sobre a importância do que está sendo realizado. Ela atua na Unicef e é também estagiária da assessoria de direitos humanos e de minorias do MPRJ.

“É fácil cair num sistema monótono. São processos, são expedientes e muitas vezes parecem coisas complexas. Mas os estagiários podem ampliar o alcance do MPRJ e levar à sociedade informações sobre o trabalho que é realizado. Os territórios de onde a maioria deles vêm são territórios vulneráveis”, avaliou.

Pesquisas

Além da assinatura da resolução, o MPRJ divulgará na sexta-feira (23) duas pesquisas relacionadas com a questão da criança e do adolescente. Uma delas trará uma análise dos orçamentos municipal e estadual no que diz respeito às políticas de saúde, educação e assistência social. “O objetivo é entender quais são as políticas públicas que de fato podem impactar a vida do jovem e que precisam chegar antes que a bala chegue”, diz a procuradora Eliane de Lima Pereira, assessora de Direitos Humanos e Minorias.

O outro estudo é um balanço do trabalho realizado nas unidades interligadas de registro civil, isto é, hospitais e maternidades que possuem cartórios. De acordo com Eliane, eles são instalados em instituições que tenham média superior a 100 nascimentos por mês. “Existem para evitar o subregistro. Se você já garante a documentação da criança logo ao nascer, você já saca ela em alguma medida de um espaço de vulnerabilidade. Não se exerce cidadania sem documentação”.

MPRJ vai priorizar apuração de homicídios de crianças e adolescentes