MT reduz horário de atendimento ao público

A Gerência Regional do Ministério do Trabalho em Piracicaba anunciou que reduzirá em duas horas, a partir do dia 11, o atendimento ao público por falta de funcionários. O órgão, que funciona hoje com oito funcionários, perderá metade do efetivo com o vencimento do contrato de uma empresa terceirizada. Outra empresa deve ser contratada, por meio de licitação, em um processo que deve levar cerca de 40 dias.

O encerramento do contrato, segundo o gerente regional Antenor Varolla, foi uma decisão da Superintendência do ministério em São Paulo, que teria decidido licitar, de forma conjunta, os serviços prestados para ela e para as gerências regionais. Por problemas internos, o edital que deveria ser publicado pelo menos três meses antes do vencimento do acordo atual só deve ser lançado nos próximos dias.

O quadro fica ainda pior com a programação mensal de férias de cada um dos quatro servidores federais concursados que atuam na Gerência de Piracicaba. Com isso, o espaço deve contar com apenas três pessoas até a efetivação do novo contrato.

O órgão atende hoje, de forma ininterrupta, entre as 7h30 e as 17h30. Com a redução no quadro de funcionários, o Ministério do Trabalho vai atender entre as 8h e o meio dia e das 13h às 17h. “Hoje nós fazemos 10 horas diárias, sem interrupção, de atendimento ao público por dia. Sem os terceirizados, vamos reduzir isso para oito horas”, afirmou Varolla.

Apenas aos trabalhadores, a gerência presta serviços como emissão da CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social), consulta da habilitação do SeguroDesemprego e vagas de emprego, registro profissional e consulta da rescisão de contrato de trabalho e convenções coletivas.

Além da recepção ao público, a falta de mão de obra também deve prejudicar o trabalho interno na gerência. “Estou dando prioridade ao atendimento ao público enquanto o serviço interno vai sendo feito na medida do possível. Quando houver o retorno dos terceirizados vamos buscar a atualização de tudo o que ficar acumulado”, completou.

O Jornal de Piracicaba solicitou ontem à assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho, em Brasília, um posicionamento sobre a falta de pessoal na Gerência Regional de Piracicaba, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.