Mulher é presa após assassinar ex do marido

crime Acusada foi levada ao plantão policial. ( Foto: Divulgação)

Uma autônoma de 44 anos foi presa após assassinar a ex-companheira de seu atual marido, anteontem à noite. A acusada disse à Guarda Civil que a vítima, que tinha 60 anos, teria invadido sua residência, no Parque Piracicaba. As duas se desentenderam e a idosa foi atingida com pelo menos oito facadas. Os bombeiros foram acionados, mas quando chegaram a vítima já estava morta. Após o crime, a acusada foi até uma igreja do bairro, onde foi localizada pela Guarda Civil. A suspeita alegou que jogou a faca usada no crime em cima do telhado de uma residência. A faca não foi localizada pelos guardas e a acusada vai responder por homicídio.

O crime ocorreu por volta das 19h. A acusada disse à GC, que não conhecia a vítima, mas ela esteve em sua residência e insistiu para entrar. Após algum tempo, elas teriam se desentendido e a vítima teria invadido a residência para beber água. No entanto, elas passaram a se agredir na sala da casa, devido as marcas de sangue, segundo os guardas.

A acusada alegou que a mulher passou a agredi-la com tapas e que teria feito menção de pegar algo na bolsa que portava, quando a autônoma pegou uma faca e passou a golpear a vítima nas costas, ombros, braços, seios e tórax. Em seguida fugiu e entrou em uma igreja.

Minutos depois, a Guarda Civil foi acionada por um morador, que alegou que havia uma mulher caída no interior de uma casa. Os agentes foram para o local juntamente com a equipe de Resgate do Corpo de Bombeiros. Assim que passaram em frente de uma igreja várias pessoas teriam gritado: “mulher que matou a outra está aqui”.

Quando os guardas entraram na igreja localizaram a suspeita, que aparentemente estava em choque. Ela teria confessado aos GCs que tinha esfaqueado outra mulher. Ela disse que aceitava acompanha-los até a delegacia e que não necessitaria de algemas.

Os bombeiros tentaram reanimar a vítima. Os atendentes do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) também estiveram na casa e constataram que a mulher já estava morta.
No plantão policial, uma das hipóteses apurada pela Polícia Civil é a de que a vítima seria ex-convivente do atual marido da acusada, e por isso o crime teria motivação passional.

O delegado plantonista Alex Willians Adami considerou que apesar da suspeita ter permanecido calada sobre o ocorrido, há indícios de autoria e materialidade e por isso efetuou a prisão em flagrante sob acusação de homicídio e também solicitou na Justiça a prisão preventiva da acusada.

(Cristiani Azanha)