,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Todos os presidentes que ganharam filmes no País
  • Retrospectiva de Rodrigo Andrade está entre as dicas de exposições da semana
  • Ocimar Versolato morre aos 56 anos em São Paulo

EUA e Coreia do Sul fazem exercício militar, em momento de tensão regional
Agencia Estado
04/12/2017 11h00
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Os militares dos Estados Unidos e da Coreia do Sul começaram nesta segunda-feira um exercício militar de cinco dias na Península Coreana, que envolve aviões e milhares de soldados. A iniciativa é realizada menos de uma semana após a Coreia do Norte testar seu míssil mais avançado até o momento. Os exercícios anuais são voltados para desenvolver a coordenação entre as Forças Aéreas das duas nações, disse um porta-voz do Ministério da Defesa sul-coreano a repórteres em Seul. Cerca de 12 mil militares dos EUA sediados na Coreia do Sul, no Japão e em outras regiões, bem como um número não revelado de tropas sul-coreanas, participam das manobras, que incluirão aviões americanos de última geração, como os F-22 e os F-35. Os militares americanos dizem que os exercícios militares são comparáveis em tamanho a exercícios anteriores e não são uma resposta a "qualquer incidente ou provocação". Eles acrescentaram, porém, que a presença de aviões F-35A, F-35B e F-22 são uma novidade nessas operações. Os exercícios ocorrem em meio a tensões por causa do programa de mísseis norte-coreano. Alguns analistas do setor de segurança temem que Pyongyang esteja perto de dominar a tecnologia necessária para atingir cidades dos EUA com mísseis nucleares. Na semana passada, a Coreia do Norte testou seu míssil novo Hwasong-15, que segundo especialistas podem atingir Washington, D.C. Há dúvidas, porém, sobre se a Coreia do Norte poderia colocar uma ogiva nuclear no míssil e garantir que possa se manter até a reentrada dele na atmosfera do país. Declarações de um graduado membro do governo Trump e de um congressista americano no fim de semana pareciam sugerir que um conflito pode estar mais perto. Assessor nacional de segurança, o general H.R. McMaster disse em entrevista à rede Fox News no domingo que os EUA poderiam "tomar conta da" questão da Coreia do Norte ao "fazermos mais nós mesmos". O senador republicano Lindsey Graham afirmou no domingo que o Pentágono deveria retirar famílias de 28.500 soldados na Coreia do Sul, diante do quadro regional. Enquanto começavam os exercícios militares, o jornal estatal norte-coreano Rodong Sinmun condenou na segunda-feira as manobras como "um prelúdio para uma guerra nuclear", segundo a agência estatal central do país. Pyongyang não ficará sentada e observará as "provocações", disse o jornal. A China pediu na segunda-feira que todos os lados evitem exacerbar a situação "altamente delicada" na Península Coreana. Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores pediu que se faça mais para diminuir as tensões na região. Fonte: Dow Jones Newswires.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar